Post destacado

SELEÇÃO DE MONITORIA ACADÊMICA – IV SEJATIS

SELEÇÃO DE MONITORIA ACADÊMICA

A comissão organizadora do IV Seminário do Observatório de Educação de Jovens e Adultos do Território de Identidade do Sisal Bahia com tema “Histórias, Memórias e Sociabilidades de Gente de Fibra” vem por meio deste comunicar a abertura de inscrição para monitoria e convida todos os estudantes de Graduação e da Educação Básica do Território de Identidade do Sisal  a participar do processo seletivo. O evento acontecerá nos dias 08 a 09 de novembro de 2016 no Departamento de Educação do CAMPUS XI – SERRINHA. Para participar do processo seletivo, o estudante deverá atender aos seguintes critérios.

Critérios para monitoria:

1.Estar regularmente matriculado e frequentando curso de graduação de uma instituição de ensino superior ou escola pública da educação básica no Território de Identidade do Sisal;

2.Ter disponibilidade de, pelo menos, 01 turno diário (de cinco horas) e dispor de turno(s) alternado(s) ao longo do evento;

3.Disponibilidade de participar do treinamento para capacitação de monitores, a realizar-se dia 07 de novembro de 2016 no turno da manhã no  Departamento de Educação do CAMPUS XI – SERRINHA, após aprovação neste processo seletivo;

4.Comprometer-se em atuar na função de monitor (a) no(s) turno(s) organizados por esta Comissão de Monitoria para os dias do evento, sendo esta condição fundamental para o recebimento de certificado;

  1. É considerado critério classificatório ter participação como monitor em outro evento científico.

São vantagens garantidas aos monitores voluntários:

6.Certificação de Monitoria com a carga horária de 20 horas (se o selecionado participar do treinamento e cumprir o turno diário definido pela referida comissão);

  1. Participação no evento após o turno de cumprimento de monitoria;

Documentos exigidos a inscrição:

  1. Ficha de inscrição, a ser preenchida neste link: clique aqui ou pelo site obeja.
  2. Comprovante de matrícula e atestado de frequência do semestre/ano em curso (apresentar na entrevista);
  3. Número de matricula na instituição de vinculação (ficha de inscrição);

Período da inscrição

11.Preencher a ficha de inscrição on line preenchida;

12.As inscrições serão de 05 de outubro a 30 de outubro de 2016;

13.O treinamento acontecerá dia 07 de novembro de 2016 no turno da manhã no Departamento de Educação do CAMPUS XI – SERRINHA. A sala que ocorrerá o treinamento será divulgada em tempo hábil na página do evento, após publicação do resultado do processo seletivo.

Atenciosamente,

Comissão Organizadora do IV SEJATIS

moção
COMUNICADO - IV SEJATIS.08.11
IV SEJATIS 1
IV SEJATIS 2
 CA1
CA2
9
8
7

 

 

10

2

1 3 4 5 6

 

meio - saefstry6u7yij
(UNEB/Serrinha – IV SEJATIS)
GRATUITO – Submissão de Trabalhos Acadêmicos 
Inscrição de Ouvinte
Inscrições sem apresentação de trabalhos De 10 de outubro a 07 de novembro de 2016
Inscrições com apresentação de trabalhos De 05 de outubro a 30 de outubro de 2016
Inscrições ENCERRADAS – RESULTADO das COMUNICAÇÕES selecionadas até 23:59 de 31.10.2016 no sitio OBEJA e por e-mail (carta de aceite).
Resultado dos trabalhos aprovados até 01 de novembro de 2016As dúvidas e solicitações serão realizadas através do e-mail: obejauneb@gmail.comFicha de Inscrição – IV SEJATIS
https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSdzsELX7H7pqwS0fgmpJpeCtMWFFBND5JNAGH6LWB3ypA2Rrg/viewform
meio - saefstry6u7yij
SELEÇÃO DE MONITORIA ACADÊMICA – IV SEJATIS (UNEB/Serrinha)
Ficha de inscrição – Seleção de Monitores para IV SEJATIS
As inscrições serão de 05 de outubro a 30 de outubro de 2016
Inscrições ENCERRADAS – RESULTADO dos selecionados até 23:59 de 31.10.2016 no sitio OBEJA e por e-mail (carta de aceite).
As dúvidas e solicitações serão realizadas através do e-mail: obejauneb@gmail.comPré – requisito:
Estudante de Graduação e/ou Educação Básica do Território de Identidade do Sisal na Bahia.Ficha de inscrição, a ser preenchida neste link:
https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSeDVjfjesIR87HluDKEIn02t1Y_03ciO6tWRye-etzLn34upg/viewform
CARTAZ-SEMINARIO---OBEJA--2016.

Importância do Evento

Com o tema “A Educação de Jovens e Adultos no Território de Identidade do Sisal: Histórias, Memórias e Sociabilidades de Gente de Fibra”, o IV SEJATIS será realizados entre os dias 08 e 09 de novembro de 2016 na UNEB no  Campus de Serrinha com intuito de pensar como Educação de Jovens e Adultos (EJA) configura-se como campo específico educacional de responsabilidade pública do Estado (ARROYO, 2005), aprendizagem dialógica (FREIRE, 2001) e da escola enquanto comunidade de aprendizagem (FLECHA; TORTAJAD, 2010).

A diversidade de Sujeitos e ambientes sociais na EJA possibilitam diversidades de Histórias Vidas e Memórias no Território de Identidade do Sisal Bahia (TIS), ou seja, possibilitam problematizar a necessidade de reconfigurações das políticas públicas educacionais e ações de órgãos não governamentais para Sociabilidades de Gente de Fibra.

A memória interlaça e constrói, preservando no tempo, livrando do esquecimento, da perda. Contudo, a história e a memória, “por meio de uma inter-relação dinâmica, são suportes das identidades individuais e coletivas” (NEVES, 2000, p. 109).

Sendo assim, temos como objetivos:

  • Conhecer o contexto e a formação sociocultural de Território do Sisal como ferramenta importante para o planejamento educacional, pois a História da Educação, as Memórias de seus antigos moradores, professores, estudantes idosos e adultos com as suas experiências sobre o ato de educar, ou seja, a pedagogia em ação; explicam como as Sociabilidades de homens e mulheres de Fibra constituem o ambiente sociocultural desse território;
  • Visibilizar as Histórias e as Memórias por discussões histórica, socioambiental e cultural do Território de Identidade do Sisal;
  • Organizar redes de sociabilidades locais que viabilizarão diversos fazeres, tipos de práticas pedagógicas populares que foram construídas ao longo do tempo com intuito de suprir essas carências;
  • Fomentar discussões acerca dos processos de construção e de execução de Políticas Públicas Educacionais direcionadas aos seguintes temas no Território de Identidade do Sisal: Educação de Jovens e Adultos, Educação Ambiental e da Popular; Memórias e Histórias de Vida;
  • Socializar Experiências Exitosas da Educação de Jovens e Adultos com vistas às construções culturais que se entrelaçam nas Identidades Socioculturais na Região Sisaleira;
  •  Socializar conhecimentos científicos, tecnológicos e culturais da área de Educação de Jovens e Adultos.

Resultado da Seleção das Comunicações – III SEJATIS

11 22 33 44 55

 

 

 

 

Resultado da Seleção das Oficinas – III SEJATIS

11 11 22 33 44

III SEJATIS – Informes sobre resultado de seleção da Comunicações e Oficinas

Informamos que os resultados da avaliação das comunicações e oficinas propostas para III SEJATIS serão divulgados  até 23h 59 min de 03/11/2015.

Atenciosamente,

Comissão Organizadora do III SEJATIS

 III SEJATIS_VALENTE
Inscrições de comunicações para III SEJATIS   até 02/11

Ficha de Inscrição – Inscrições Gratuitas

Inscrições sem apresentação de trabalhos De 31 de agosto a 09 de novembro de 2015
Inscrições com apresentação de trabalhos De 31 de agosto a 02 de novembro de 2015
Resultado dos trabalhos aprovados até 03 de novembro de 2015
NORMAS PARA CONSTRUÇÃO DOS TEXTOS REFERENTES À ARTIGO
http://obeja.uneb.br/

Inscrições de Propostas de Oficinas para III SEJATIS até 02/11

Proposta de Oficina – Inscrições Gratuitas

As inscrições para ministrar oficinas De 31 de agosto a 02 de novembro de 2015
Resultados das oficinas selecionadas até 03 de novembro de 2015
Obs.: 1. Serão priorizadas as oficinas que se mostrem mais diretamente relacionadas com o tema do evento .
Obs.: 2. Autor (es) e coautores precisam se inscreve como ouvintes no III SEJATIS caso não apresentem comunicação oral. A inscrição é individual.
Obs.: 3. A oficina será realizada em um momento:  dia 09.11.2015 (quarta-feira) das 14h às 17h perfazendo um total de 3h.

As dúvidas e solicitações serão realizadas através do e-mail: obejauneb@gmail.comNORMAS PARA CONSTRUÇÃO DOS TEXTOS REFERENTES À ARTIGO

Inscrições PRORROGADAS – III SEJATIS

Inscrições de comunicações para III SEJATIS  – Prorrogadas

Ficha de Inscrição – Inscrições Gratuitas

Inscrições com apresentação de trabalhos De 31 de agosto a 09 de outubro de 2015
Resultado dos trabalhos aprovados até 13 de outubro de 2015

Inscrições de Propostas de Oficinas para III SEJATIS – Prorrogadas

Proposta de Oficina – Inscrições Gratuitas

As inscrições para ministrar oficinas De 31 de agosto a 09 de outubro de 2015
Resultados das oficinas selecionadas até 13 de outubro de 2015

Obs.: 1. Serão priorizadas as oficinas que se mostrem mais diretamente relacionadas com o tema do evento .
Obs.: 2. Autor (es) e coautores precisam se inscreve como ouvintes no III SEJATIS caso não apresentem comunicação oral. A inscrição é individual.
Obs.: 3. A oficina será realizada em um momento:  dia 21.10.2015 (quarta-feira) das 14h às 16h perfazendo um total de 2h.

As dúvidas e solicitações serão realizadas através do e-mail: obejauneb@gmail.com

NORMAS PARA CONSTRUÇÃO DOS TEXTOS REFERENTES À ARTIGO

Post destacado

Inscrições PRORROGADAS – III SEJATIS

Inscrições PRORROGADAS – III SEJATIS


Inscrições de comunicações para III SEJATIS  – Prorrogadas

Ficha de Inscrição – Inscrições Gratuitas

Inscrições com apresentação de trabalhos De 31 de agosto a 09 de outubro de 2015
Resultado dos trabalhos aprovados até 13 de outubro de 2015

Inscrições de Propostas de Oficinas para III SEJATIS – Prorrogadas

Proposta de Oficina – Inscrições Gratuitas

As inscrições para ministrar oficinas De 31 de agosto a 09 de outubro de 2015
Resultados das oficinas selecionadas até 13 de outubro de 2015

Obs.: 1. Serão priorizadas as oficinas que se mostrem mais diretamente relacionadas com o tema do evento .
Obs.: 2. Autor (es) e coautores precisam se inscreve como ouvintes no III SEJATIS caso não apresentem comunicação oral. A inscrição é individual.
Obs.: 3. A oficina será realizada em um momento:  dia 21.10.2015 (quarta-feira) das 14h às 16h perfazendo um total de 2h.

As dúvidas e solicitações serão realizadas através do e-mail: obejauneb@gmail.com

NORMAS PARA CONSTRUÇÃO DOS TEXTOS REFERENTES À ARTIGO

Chamada para inscrições de Submissão Prorrogada – VI SEJATIS

Tema: GIRAMUNDO COM PAULO FREIRE: SEMEANDO E COMPARTILHANDO A AUTOGESTÃO E OS SABERES ECOLÓGICOS

Ficha de Inscrição – Orientações
https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSeA1sPrHGFp84Fq-fkUKAQpmgxdDQZMmlN87Pen4-_1ZaYW9g/viewform

Inscrições sem apresentação de trabalhos – 01/ 04 a 05/06 de 2018 (Gratuitas).
Inscrições com apresentação de trabalhos – 01/ 04 a 20/05 de 2018 (Gratuitas).
Resultado dos trabalhos aprovados até 25/05/2018 no sitio OBEJA e por e-mail (Carta de Aceite).
Todos os resumos aprovados para Comunicação Oral, Relatos Pedagógicos de Experiências, Mesa Redonda e/ou Oficinas serão publicados, em formato completo, nos Anais do evento (digital).
O resumo do trabalho proposto deve articular-se com o tema geral do seminário e um dos eixos temáticos com os seguintes itens objetivamente: o problema, os objetivos, a metodologia, os resultados obtidos ou esperados de acordo com a norma ABNT NBR 6028.
O artigo completo só será exigido após avaliações dos resumos, via e-mail individual para autor (es), pelo Comitê Científico do VI SEJATIS para publicação numa revista digital a ser divulgada.

As dúvidas e solicitações serão realizadas através do e-mail: obejauneb@gmail.com ou : www.obeja.uneb.br ou https://sejatis.wixsite.com/uneb

prorrogacao

VI Seminário de Educação de Jovens e Adultos do Território de Identidade do Sisal SEJATIS
Nos dias 05, 06 e 07/06/2018
Campus XIV da UNEB – Conceição do Coité

Tema: GIRAMUNDO COM PAULO FREIRE: SEMEANDO E COMPARTILHANDO A AUTOGESTÃO E OS SABERES ECOLÓGICOS

Ficha de Inscrição – Orientaçõeshttps://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSeA1sPrHGFp84Fq-fkUKAQpmgxdDQZMmlN87Pen4-_1ZaYW9g/viewform
1 2 3

CHAMADA DE ARTIGOS: DOSSIÊ 50 ANOS DA PEDAGOGIA DO OPRIMIDO: MOVIMENTOS DE OPRESSÕES E LIBERTAÇÕES CONTEMPORÂNEAS NA AMÉRICA LATINA E ÁFRICA

CHAMADA DE ARTIGOS: DOSSIÊ 50 ANOS DA PEDAGOGIA DO OPRIMIDO: MOVIMENTOS DE OPRESSÕES E LIBERTAÇÕES CONTEMPORÂNEAS NA AMÉRICA LATINA E ÁFRICA

O ano de 2018 marca os 50 anos de publicação do livro “Pedagogia do Oprimido”, escrito por Paulo Freire, no exílio imposto pela ditadura civil-militar deflagrada a partir do golpe de 1964.

É pouco dizer que se trata de obra de maior referência de Paulo Freire.  O livro, escrito em 1968 durante o seu exílio no Chile, nos oferece uma possibilidade de responder às velhas e novas condições de lutas políticas remanescentes dos movimentos de libertação na África e América Latina, dos anos de 1950 a 1970. Sua escrita só foi possível pelo desafio ao qual Freire se pôs a pensar/trabalhar os pares da dialética colonizador/colonizado; opressor/oprimido que emergem da mediação realizada por Frantz Fanon sobre “os condenados da terra”.

Se as condições de cada contexto histórico trazem questões ou temas a serem enfrentados pela sociedade, a proposta deste dossiê é um convite às possíveis e bem-vindas (re)leituras que “Pedagogia do Oprimido” nos oferece. A proposta do Dossiê reitera e acolhe a fecundidade desta obra germinal direcionada à reflexão crítica da práxis educativa ainda tão necessária ao trabalho político e pedagógico de enfrentamento e emancipação das antigas e novas opressões nos países da América Latina e África. As propostas deverão ser enviadas para o site da revista até 30 de maio de 2018.

http://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/riae/announcement/view/784

Congreso Internacional – III Jornadas de Prensa Pedagógica: La PRENSA PEDAGOGICA DE LOS PROFESORES

Congreso Internacional – III Jornadas de Prensa Pedagógica: La PRENSA PEDAGOGICA DE LOS PROFESORES
Su contribución al patrimonio histórico educativo

 

 

 

iii-jornadas-prensa-pedagog-octubre-2018-2

El PROCESO DE PRESENTACIÓN, aceptación y publicación de las
comunicaciones es el siguiente. Hasta el dia 15 de mayo de 2018 se reciben propuestas  de tema, con un resumen de no más de una página con dos referencias bibliográficas.
Ahí mismo debe figurar el nombre completo del autor (es), institución de procedencia,  dirección electrónica. Se admite presentar un máximo de dos comunicaciones  compartidas para cada autor. Se dirigirán a : jmhd@usal.es

 

iii-jornadas-2a-1

 

 

 

 

 

 

Produção e Uso de Materiais Didáticos no Ensino Popular de Jovens e Adultos – 24/03

 

Produção e Uso de Materiais Didáticos no Ensino Popular de Jovens e Adultos

 

Utilizando elementos comuns e de baixo custo, em diferentes mídias, o grupo será convidado a desenvolver, produzir e planejar a aplicação de diferentes materiais didáticos facilitadores de aprendizagem em turmas de adultos (como EJA e cursinhos populares).

A turma também será convidada a refletir coletivamente o Ensino de Jovens e Adultos, com base nas referências teóricas e no compartilhamento de ideias e experiências pedagógicas.

Metodologia: As aulas terão foco na produção dos materiais, com atividades de reflexão a partir do pensamento de Paulo Freire, Howard Gardner, Malcolm Knowles, Lev Vygotsky, Alexander Luria, Sergio Haddad, Moacir Gadotti, entre outros.

Realização conjunta

Conteúdo programático

Encontro 1

  • Introdução e apresentação do curso, formadoras e participantes;
  • Reflexões sobre as experiências e desafios encontrados por professores no ensino de jovens e adultos;
  • Educação Popular, Paulo Freire e o uso de materiais didáticos com adultos – valorização cultural e identitária;
  • Princípios da Andragogia;
  • A importância e os desafios do uso de materiais e metodologias que englobam sentidos e experiências emocionais;
  • Contato com diferentes materiais didáticos;
  • Escolha de projetos individuais (ou em grupo) que serão desenvolvidos nas aulas seguintes.

 

Encontro 2

  • A teoria das “Inteligências Múltiplas“ de Howard Gardner e suas aplicações no ensino popular de adultos;
  • Antes e depois do material: a importância do uso do material didático enquanto facilitador de uma unidade com começo, meio e fim;
  • Planejamento dos projetos individuais ou em grupo;
  • Pesquisa e desenvolvimento de protótipos.

 

Encontro 3

  • Desafios e oportunidades do trabalho com orçamento e materiais limitados;
  • Desafios e oportunidades do uso de diferentes mídias (analógicas e digitais);
  • Desenvolvimento do material didático.

 

Encontro 4

  • Estratégias e desafios: A expectativa do aluno adulto por um ensino tradicional vs. A proposta de experiências lúdicas;
  • Finalização dos materiais;
  • Teste coletivo dos materiais produzidos;
  • Realização de ajustes.

 

Encontro 5

  • Os participantes do curso decidirão em conjunto uma ação para encerramento do curso.

A quem se destina

Professoras e professores de EJA e cursinhos populares que tenham interesse em aprender como desenvolver, produzir e aplicar materiais didáticos utilizando mídias variadas e de baixo custo.

Educadoras(es)

  • Barbara Heliodora
  • Luciana Palmieri

http://centrodeformacao.acaoeducativa.org.br/cursos/producao-e-uso-de-materiais-didaticos-no-ensino-popular-de-jovens-e-adultos/

O DESMONTE DA ESCOLA PÚBLICA E OS EFEITOS DA REFORMA DO ENSINO MÉDIO: EXCLUSÃO, PRECARIZAÇÃO, PRIVATIZAÇÃO, DESRESPONSABILIZAÇÃO DO ESTADO

O DESMONTE DA ESCOLA PÚBLICA E OS EFEITOS DA REFORMA DO ENSINO MÉDIO: EXCLUSÃO, PRECARIZAÇÃO, PRIVATIZAÇÃO, DESRESPONSABILIZAÇÃO DO ESTADO

As entidades nacionais abaixo relacionadas vêm a público se manifestar contra a precarização da formação das juventudes brasileiras, a privatização e o empresariamento da oferta pública de Ensino Médio e a desresponsabilização do Estado para com sua obrigatoriedade constitucional. São estes os efeitos nefastos da ação do governo de Michel Temer sobre a educação básica brasileira, que aprofundam as desigualdades educacionais e sociais, ameaçam a democratização do ensino público e distanciam a juventude do direito inalienável à educação com qualidade social. O Jornal Folha de S. Paulo de hoje, 20 de março de 2018, veicula matéria na qual dá publicidade a algo já esperado, desde a aprovação da Lei 13.415/17 que teve origem na MP 746/16. A Lei da reforma do Ensino Médio passou a permitir que fossem utilizados recursos do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de valorização dos Profissionais da Educação (FUNDEB) para realização de parceiras com o setor privado, inclusive para que empresas de educação a distância ofertassem cursos nessa modalidade e que seriam usados para a integralização dos currículos dos/das estudantes nesse nível de ensino. O empenho em agradar o empresariado nacional, interlocutor preferencial do MEC, no entanto, eleva essa possibilidade ao extremo ao regulamentar que até 40% do Ensino Médio possa ser feito a distância…

São amplamente conhecidas as condições de precariedade de grande parte da oferta pública da última etapa educação básica no País, que carece de maiores investimentos. A reforma do Ensino Médio vai aprofundar essa precariedade, reduzindo o currículo ao mínimo, e agora, induzindo a oferta a distância. Essa reforma amplia as desigualdades educacionais que marcam o processo formativo da(s) juventude(s) brasileiras e retira dos/das jovens, sobretudo os da escola pública, o direito a uma formação plena, de qualidade, como requer e estabelece a Constituição Federal de 1988, consolidando o processo de apartheid social dos mais pobres.

O financiamento da oferta privada com recursos públicos significa, além de privatização stricto sensu, que o governo federal e os governos distrital e estaduais, estarão terceirizando o que é de sua responsabilidade constitucional. O Ensino Médio é parte constitutiva da educação básica e precisa cumprir a função precípua de contribuir para o desenvolvimento pleno dos estudantes. Não é admissível que frente ao desenvolvimento histórico da ciência, da arte e da cultura os jovens pobres sejam afastados da escola limitando o tempo presencial a três dias por semana. Igualmente inadmissível é o uso do dinheiro público para a mercantilização desse nível de ensino de acordo com interesses, demandas e necessidades que não correspondem aos das nossas juventudes.

Consideramos muito grave a possibilidade de mudança de orientação curricular do Ensino Médio, a partir de parâmetros mercadológicos e neoliberais, que predominam nas iniciativas privadas, comprometendo uma formação sólida, crítica e contextualizada socialmente para todos os estudantes.  A atualização das Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio, com o fim de regulamentar a reforma, está ocorrendo de forma restrita no Conselho Nacional de Educação, sem participação das pessoas diretamente interessadas, o que agrava o problema apontado. É urgente que o CNE abra o diálogo com a sociedade, as instituições formadoras, as entidades representativas de pesquisadores, professores e estudantes, como já o fez em outros momentos de sua história, e não apenas com o empresariado.

Diante da gravidade dessa situação tornamos pública nossa indignação e conclamamos a sociedade a se manifestar em defesa da educação básica e de um Ensino Médio de qualidade para todos. Exigimos desse governo e do Conselho Nacional de Educação que respeitem as vias tradicionalmente constituídas com vistas à elaboração das normas que regulamentam a educação brasileira.

20 de março de 2018.

 

Movimento Nacional em Defesa do Ensino Médio (MNDEM)

Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação (ANPEd)

Associação Nacional pela Formação dos Profissionais da Educação (ANFOPE)

Associação Nacional de Política e Administração da Educação (ANPAE)

Associação Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências (ABRAPEC)

Associação Brasileira de Currículo (ABdC)

Associação Nacional de Pesquisa em Financiamento da Educação (FINEDUCA)

Centro de Estudos Educação e Sociedade (CEDES)

Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE)

Fórum Nacional de Diretores de Faculdades, Centros de Educação ou Equivalentes das Universidades Públicas Brasileiras (FORUMDIR)

Campanha Nacional pelo Direito à Educação

Ação Educativa

Rede Escola Pública e Universidade (REPU)

http://www.anped.org.br/news/o-desmonte-da-escola-publica-e-os-efeitos-da-reforma-do-ensino-medio-exclusao-precarizacao

A sistematização de experiências: um método para impulsionar processos emancipadores

A sistematização de experiências: um método para impulsionar processos emancipadores.

Livro Completo: http://bit.ly/2jmCRpV
Todo Design do Sul: https://goo.gl/4pJu9f
Convidados a conversar em: https://www.facebook.com/groups/disenosdelossures/
” neste material aborda-se a sistematização de experiências como método para operacionalizar à educação popular, propondo desde a experiência educativa do cepep, a utilização deste método como uma estratégia central de aprendizagem em programas de formação concebidos a partir desta abordagem educativa emancipador, favorecendo a educação. Entre outras coisas, a aprendizagem e a construção social de conhecimentos, a partir da própria prática ou experiência dos e participantes com o propósito de redirecionar para a transformação da realidade ” (p. 8-9).
William a. Capô s et al (210). A sistematização de experiências: um método para impulsionar processos emancipadores. © Cooperativa Centro de estudos para a educação popular (cepep). Livro Oficina ao cuidado de Belém arteaga, Heitor Bello, Manuela capota, Marcos veroes, Reinaldo Chinês Romero, Simão capota e William Capota.

Encceja Nacional 2018 terá inscrições em abril e aplicação das provas em 5 de agosto

Encceja Nacional 2018 terá inscrições em abril e aplicação das provas em 5 de agosto


O Exame Nacional para Certificação de Competências de Jovens e Adultos (Encceja) terá quatro aplicações em 2018. Em coletiva de imprensa na manhã desta quarta-feira, 14 de março, o ministro da Educação, Mendonça Filho, e a presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), Maria Inês Fini, anunciaram as datas das aplicações. O Encceja Nacional terá provas em 5 de agosto e o Encceja Exterior, em 16 de setembro. As edições direcionadas a adultos submetidos a penas privativas de liberdade e adolescentes sob medidas socioeducativas que incluam privação de liberdade (PPL) serão realizadas em setembro. Enquanto o Encceja Exterior PPL terá as provas aplicadas entre 17 e 21, o Encceja Nacional PPL será realizado em 18 e 19.

“Na próxima semana, vamos divulgar o edital do Enem 2018 e decidimos também já fazer a divulgação do calendário e mudanças relativas ao Encceja, que é um exame importante para garantir a certificação dos ensinos médio e fundamental”, disse o ministro Mendonça Filho. Ele lembrou da separação dos dois exames – Enem e Encceja – como forma de que cada um deles seja o mais direcionado, possível, para o objetivo dos jovens. “O Inep colocou a necessidade de que a gente pudesse ter uma visão mais focada naqueles que buscam uma certificação de competência, e assim temos hoje o Encceja como essa oportunidade”, avaliou.

“A data de mudança da prova foi uma requisição dos jovens”, explicou a presidente do Inep, Maria Ines Fini. “Eles nos pediram que fizéssemos o exame mais cedo e ele acontecerá, então, no dia 5 de agosto, para que possamos emitir o certificado em outubro.”  A presidente do Inep também destacou a importância social do exame: “O Encceja permite que quem perdeu a oportunidade de estudar na idade certa volte ao sistema ou ingresse no mundo do trabalho com uma certificação de nível fundamental e médio. O significado social é esse resgate, essa perspectiva de ampliação da cidadania”.

Edital – Nesta quarta-feira, 14, o edital do Encceja Nacional 2018 foi publicado no Diário Oficial da União (DOU). A novidade da edição é relacionada à necessidade de justificar ausência. Gratuito, o Encceja Nacional teve uma taxa de ausência de 60% em 2017. Para evitar mais prejuízos aos cofres públicos, a partir de agora, o participante que não comparecer à aplicação das provas das áreas de conhecimento para as quais se inscreveu e não justificar sua ausência deverá ressarcir ao Inep o custo gasto com ele, acrescido da correção do IPCA, se tiver interesse em fazer o exame novamente. Quem faltar ao Encceja 2018 e quiser fazer o Encceja 2019, por exemplo, terá que justificar a ausência no Sistema de Inscrição do próximo ano para manutenção da gratuidade. Se a justificativa não for aprovada, o participante deverá ressarcir os cofres públicos para realizar o exame.

Cronograma – As inscrições para o Encceja Nacional 2018 serão realizadas das 10h de 16 de abril às 23h59 de 27 de abril (horário de Brasília – DF). Entre 30 de abril e 4 de maio serão recebidas as solicitações para atendimento por nome social. A aplicação, em todas as unidades da federação, ocorrerá em 5 de agosto de 2018. As provas no turno matutino serão aplicadas às 9h e as do turno vespertino, às 15h30. Em todas as localidades deverá ser seguido o horário de Brasília – DF. A divulgação dos resultados está prevista para o último trimestre de 2018.

Objetivos – O Encceja é direcionado aos jovens e adultos que não tiveram a oportunidade de concluir seus estudos na idade apropriada para cada nível de ensino. A participação é voluntária e gratuita, mas existe uma idade mínima exigida. Quem visa à certificação de conclusão do ensino fundamental precisa ter 15 anos completos na data de realização do exame. Quem visa à certificação de conclusão do ensino médio precisa ter 18 anos completos.

Certificação X Declaração de proficiência – Os resultados individuais do Encceja permitem a emissão de dois documentos distintos: a certificação de conclusão de ensino fundamental ou do ensino médio, para o participante que conseguir a nota mínima exigida nas quatro provas objetivas e na redação; e a declaração parcial de proficiência, para o participante que obtiver a nota mínima exigida em uma das quatro provas, ou em mais de uma, mas não em todas.

A inscrição e a realização das provas não garantem a certificação. Será certificado apenas o participante que atingir o mínimo de 100 pontos em cada uma das áreas de conhecimento do Encceja e que obtiver, adicionalmente, no caso de língua portuguesa, língua estrangeira moderna, artes e educação física no ensino fundamental; e de linguagens e códigos e suas tecnologias no ensino médio, proficiência de pelo menos cinco pontos na prova de redação.

Orientações para inscrição – O Inep elabora, aplica e corrige as provas, mas a certificação é competência das secretarias estaduais de educação e dos institutos federais de educação, ciência e tecnologia que tiverem assinado termo de adesão ao Encceja com o Inep. Durante a inscrição, o participante precisa escolher a instituição certificadora na qual pretende solicitar a certificação ou a declaração parcial de proficiência.

Ao fazer a inscrição, o participante também precisa ficar atento à seleção das áreas de conhecimento. Quem visa ao certificado de conclusão do ensino fundamental ou do ensino médio precisa ter proficiência nas quatro áreas do conhecimento e na redação. O participante que já tem alguma declaração parcial de proficiência, obtida em edições passadas do Enem ou do próprio Encceja, fica liberado de fazer a prova da área na qual já tem proficiência comprovada. Quem não tem uma declaração parcial de proficiência deve escolher fazer todas as provas do nível de ensino para o qual busca a certificação.

O Encceja é composto por quatro provas objetivas por nível de ensino e uma redação. Cada prova tem 30 questões de múltipla escolha por prova. No ensino fundamental, as áreas de conhecimento avaliadas são: ciências naturais; matemática; língua portuguesa, língua estrangeira moderna, artes, educação física e redação; e história e geografia. No ensino médio, as áreas são: ciências da natureza e suas tecnologias; matemática e suas tecnologias; linguagens e códigos e suas tecnologias e redação; e ciências humanas e suas tecnologias

O Encceja Nacional é realizado em parceria com as 27 secretarias estaduais de educação – todas celebraram termo de parceria com o Inep. O Encceja Nacional PPL é uma parceria com o Ministério da Justiça, enquanto o Encceja Exterior e o Encceja Exterior PPL são viabilizados graças a uma parceria com o Ministério das Relações Exteriores.

Clique aqui para ver a apresentação

Confira o edital publicado no Diário Oficial da União

Assessoria de Comunicação Social

http://portal.mec.gov.br/component/content/index.php?option=com_content&view=article&id=61481:encceja-nacional-2018-tera-inscricoes-em-abril-e-aplicacao-das-provas-em-5-de-agosto&catid=389&Itemid=86

Confira as atividades FNPE da 13ª edição do Fórum Social Mundial

 

 

Confira as atividades FNPE da 13ª edição do Fórum Social Mundial

 

Dia 14 de Março, 16h
Debate promovido pelo PROIFES: Emenda Constitucional nº 95, Reforma do Ensino Médio e Escola sem Fascismo. Local: Tenda da CUT.

Dia 14 de março, 18h às 20h 
Conferência Livre promovida pelo Fórum EJA na Bahia: “Nenhum Direito a Menos: a Educação é um Direito”, no Auditório Juradir Oliveira na Universidade do Estado da Bahia (UNEB).

Dia 14 de março, 19h 
Reunião do Pleno do FNPE. Local: APUB – R. Prof. Aristídes Novis 44 – Federação, Salvador – BA

Dia 16 de março
Conferência Livre “Participação Social na Construção das Políticas Educacionais”, na tenda da CUT.

Confira as atividades da 13ª edição do Fórum Social Mundial

Uneb lança apoio ao FSM 2018

O reitor reeleito da Universidade do Estado da Bahia (Uneb), José Bites de Carvalho, e o vice-reitor eleito, Marcelo Ávila, tomaram posse em cerimônia realizada na última sexta-feira (5), no Teatro UNEB, em Salvador. Os professores serão responsáveis pela gestão do quadriênio 2018-2021, após vitória da chapa com 64,46% dos votos válidos da comunidade acadêmica, na última eleição.

Na oportunidade, foi lida a carta “A UNEB NO FÓRUM SOCIAL MUNDIAL” que destaca o apoio e a participação da Universidade no FSM 2018. “A Universidade do Estado da Bahia (UNEB) encontra-se envolvida na discussão do FSM, desde a defesa para que sua realização ocorra em Salvador”, destacou o reitor.

Leia aqui a íntegra  CARTA – FSM

Comunicação Compartilhada do FSM 2018
Texto: Glenda Lima

Uneb lança apoio ao FSM 2018

Design do Sul: Interculturalidade na vida cotidiana

[ENTRADA 842]
Design do Sul: Interculturalidade na vida cotidiana
Artigo completo: http://bit.ly/2CMYCZo
Todo Design do Sul: https://goo.gl/4pJu9f
Convidados a conversar em https://www.facebook.com/groups/disenosdelossures/
” através deste trabalho, apresentamos o aglomerado de práticas que chamamos de desenho do Sul, sem antecedentes nominais, mas afim de modalidades de pensamento inclusivos e emancipatórias, com o qual tentamos desestabilizar o que é frequentemente assumido como desenho industrial profissional de corte euro-Ocidental. Isto, a partir de investigações em curso que qualificamos de emergentes, em virtude do esforço de nos aproximarmos do estudado de possibilidades alternativas de conhecer as de pelo projeto moderno, entre elas, as filosofias andinas (Estermann, 1998, 2008, 2008, 2008, 2008, ) e as epistemologías do Sul (Cassano, 2012; comaroff e comaroff, 2012; connell, 2007 E Santos, 2003, 2009). No final deixamos abertos para obras em preparação a contagem das expressões Aplicadas do projeto do Sul nos muitos mundos e realidades que constituem o planeta, e sugerimos que o projeto do Sul (ou os desenhos dos sures porque são muitos) é um meio múltiplo para abrir a existência humana a muitas formas de gozo e plenitude. Para a criação intercultural na vida quotidiana “. (Fernando Alberto Alvarez Romero e Alfredo Gutierrez borrero).
Alvarez Romero, Fernando E Gutierrez borrero, Alfredo (2017). Design do Sul: Interculturalidade na vida cotidina no quinto encontro de pesquisas emergentes, gerência de artes plásticas idartes, programa de artes plásticas Universidade Jorge Tadeu Lozano, Colômbia.

A imagem pode conter: texto

Como fazer uma horta urbana

[ENTRADA 893]
Como fazer uma horta urbana
Livro completo em: http://bit.ly/2GepBQy
Convidados para conversar em: https://www.facebook.com/groups/disenosdelossures/
Todo Design do Sul: https://goo.gl/4pJu9f

ENTRADA 893]
Como fazer uma horta urbana
Livro completo em: http://bit.ly/2GepBQy
Convidados para conversar em: https://www.facebook.com/groups/disenosdelossures/
Todo Design do Sul: https://goo.gl/4pJu9f
” os pomares urbanos comunitários são (…) espaços cidadãos em que de forma aberta um grupo de vizinhos ” cuidam ” o espaço de todos, projetando e construindo jardins e hortas. Locais para a cultura vegetal e também a cultura social ” (p. 4).
Locais para o cultivo vegetal e também a cultura social
Cidade-Pomar (2017). Como fazer um pomar urbano. Guias didácticas a aventura de aprender. Educalab

A imagem pode conter: texto e atividades ao ar livre

Atividade de convergência: Educação, Cultura e Direitos Humanos

Foto de Frepop.
MAR14

Atividade de convergência: Educação, Cultura e Direitos Humanos

Público

· Organizado por Frepop

O tempo das sombras que invadiu a América Latina no atual período histórico não eliminou e não eliminará a resistência de quem promove a dignidade humana. O presente e o futuro das pessoas que compõe as camadas populares da sociedade, está em suas próprias mãos, nos corações e sonhos de mulheres e homens que rompem os limites pessoais e coletivos, produzindo e reproduzindo ações e valores que alimentam a esperança, do hoje e do amanhã.

É neste contexto que propomos um momento de reflexão para a convergência sobre os desafios que enfrentamos em distintos territórios da vida. Queremos reunir movimentos, pessoas, grupos e redes que que se articulam na Cultura, Direitos Humanos, nos espaços de produção e reprodução do conhecimento social e popular, nas relações de educação que se articulam para semear a esperança, a partir de diferentes formas de fazer o presente.

Convergir para lidar com os dilemas de nosso tempo, é uma das oportunidades que o FSM das Resistências, que ocorre em Salvador entre os dias 13 e 17 de março, nos oferece, e estamos alegres por nos reunirmos junto a tantas pessoas que se confundem com a história de construção de caminhos que anunciam o inédito e viável amanhã.

É para este convergir que o Fórum Mundial de Direitos Humanos, a UPMS – Universidade Popular dos Movimentos Sociais, o FREPOP – Fórum e Educação Popular e a Rede CulturaEduca, convidam para que participem.

https://www.facebook.com/events/163950611066137/

Roda de Conversa no FSM 2018 O Papel da Educação Popular .

Foto de Frepop.
MAR15

Roda de Conversa no FSM 2018 O Papel da Educação Popular .

Estava prevista a realização da 14ª edição do FREPOP no ano 2018. As condições para a articulação das Cirandas de mobilização e organização previstas para serem realizadas em 2017, não ocorreram diante de tantos enfrentamentos e lutas contra os retrocessos em direitos.

No entanto, não podemos silenciar diante do momento em que educadores e educadoras populares, estão a cada dia enfrentando o retrocessos na garantia de direitos e nos aspectos da subjetividade humana, de amorosidade e solidariedade, enfrentando o ódio e outras formas de violência física e simbólica.

Neste sentido, educadores e educadoras que têm participado das edições do FREPOP, em um diálogo realizado no grupo de whatssAPP #13FREPOPEUFUI, propuseram o engajamento no FORUM SOCIAL MUNDIAL que ocorrerá em Salvador entre os dias 13 e 17 de março, lembrando que o FSM é o berço do surgimento do FREPOP e neste momento em particular, pode ser um marco na rearticulação dos setores populares organizados na America Latina e em outros continentes.

Estaremos realizando na programação do FSM, uma RODA DE CONVERSA sobre “O papel da Educação Popular na organização e resistência contra o avanço conservador e golpista na América Latina.” , que ocorrerá na UFBA Campus de Ondina.

Abrir o diálogo sobre as diferentes experiências de organização e atuação neste contexto, pode contribuir para o aprendizado pessoal e coletivo necessário para lidarmos com o momento histórico atual, na perspectiva da construção de um outro mundo inédito, viável e possível, para as camadas populares.

https://www.facebook.com/events/440602966353321/

FÓRUM SOCIAL MUNDIAL – Um diálogo sobre os desafios da esquerda: a luta pela unidade num futuro incerto • Boaventura de Sousa Santos

[Versión del mensaje en formato texto]

…………………………………….

FÓRUM SOCIAL MUNDIAL
Salvador | Bahia | Brasil
13 ao 17 de março de 2018

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Colóquio | Brasil: estado de exceção
Desigualdades, fragilidade democrática e poder das elites

Quarta-feira, 14 de março | 09:00 – 19:30 horas
Universidade Federal da Bahia, Campus Ondina

Coordenação geral do evento: Pablo Gentili

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Debate 1 – 09:00 a 10:15 horas
Tutelando as democracias: mídia, poder e manipulação

Ignacio Ramonet | Jornalista, fundador do Le Monde Diplomatique, França.

Coordena e comenta:
Martín Granovsky | Página 12, Universidad Metropolitana de la Educación y del Trabajo, UMET, Argentina.

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Debate 2 – 10:30 a 11:45 horas
Judicialização da política e politização da justiça

Carol Proner | Professora da Universidade Federal do Rio de Janeiro e diretora do Instituto Joaquín Herrera Flores, Brasil.

Coordena e comenta:
Nicolás Trotta | Reitor da Universidad Metropolitana de la Educación y del Trabajo, Argentina.

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Debate 3 – 12:00 a 13:15 horas
Desigualdades: quais, por que, até quando?

Tereza Campello | Ex ministra de desenvolvimento social do governo Dilma Rousseff, pesquisadora da Fundação Oswaldo Cruz, Brasil.

Coordena e comenta:
Katia Maia | Diretora Executiva da OXFAM, Brasil.

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Intervalo – 13:15 a 15:00 horas

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Debate 4 – 15:00 a 16:15 horas
Racismo, violência e discriminação: os direitos humanos no Brasil do golpe

Nilma Lino Gomes | Ex-Ministra das Mulheres, da Igualdade Racial, da Juventude e dos Direitos Humanos do governo Dilma Rousseff. Professora da Universidade Federal de Minas Gerais.

Coordena e comenta:
César Barreira | Professor da Universidade Federal do Ceará, Brasil.

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Debate 5 – 16:30 a 19:30 horas
Um diálogo sobre os desafios da esquerda: a luta pela unidade num futuro incerto

Boaventura de Sousa Santos | Diretor do Centro de Estudos Sociais, Portugal.

Luiz Dulci | Ex ministro da secretaria geral da presidência do governo Lula, diretor do Instituto Futuro Marco Aurélio Garcia, Brasil.

Gerardo Caetano | Professor da Universidad de La República, Uruguai.

Guilherme Boulos | Coordenador nacional do Movimento dos Trabalhadores sem Teto, Brasil.

Comentários:
Ignacio Ramonet (França), Carol Proner (Brasil), Nilma Lino Gomes (Brasil), Tereza Campello (Brasil), Martín Granovsky (Argentina), Nicolás Trotta (Argentina), César Barreira (Brasil), Yamile Socolovsky (Argentina) y René Ramírez (Equador)

Coordena:
Pablo Gentili | Secretário executivo do Conselho Latino-Americano de Ciências Sociais, professor da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Argentina/Brasil.

>> Lançamento do livro de Boaventura de Sousa Santos:
Esquerdas do mundo, uni-vos!

(Boitempo, 2018)

Coordena:
Ivana Jinkings | Fundadora e diretora da editora Boitempo, Brasil.

……………………………………

CLACSO
Secretaría Ejecutiva
Estados Unidos 1168 | C1101AAXCiudad de Buenos Aires, Argentina | Tel [54 11] 4304 9145
clacsoinst@clacso.edu.ar | www.clacso.org

http://www.clacso.org.ar/difusion/Forum_Social_Mundial_2018/forum.html

Rodas Permaculturais de Conversa: “O lugar da permacultura frente aos desafios contemporâneos da sociedade mundial”

De 13 a 17 de março de 2018 acontece o Fórum Social Mundial 2018 – Salvador – Bahia reunindo organizações e sociedade civil para construir juntos alternativas de “Um Outro Mundo Possível”.

Nesse contexto, o Instituto de Permacultura da Bahia (IPB) considera a realização do Fórum Social Mundial como uma grande oportunidade de vivenciar novas possibilidades de aprendizados e propõe uma Roda Permacultural de Conversa sobre o tema “O lugar da permacultura frente aos desafios contemporâneos da sociedade mundial”.

O objetivo do encontro é aproximar as experiências na permacultura a conceitos como o antropoceno, nos estimulando a pensar as questões trazidas pelo FSM por meio do olhar permacultural.

A atividade será no dia 14/03, às 16h, no Cabaré do Teatro Vila Velha, e conta com os convidados:

· Catarina Camargo: Experiências do Núcleo de Permacultura, IPB/ Rio de Contas
· Daniel Frediani: Experiências do Núcleo de Permacultura, IPB/ Salvador
· Djalma Nery: caminhos e perspectivas para a popularização da permacultura no Brasil, VERACIDADE/SP
· Thaís Portela: antropoceno e urbanismo na contemporaneidade
· Fernando Munaretto (O Guardador de Estrelas): Evolução estralar e a atual teoria cosmológica
· Thomas Enlazador: Permacultura e movimentos sociais
· Maviael Melo: Entre versos e canções

Programação:
16hs – Roda Permacultural de Conversa
19:00 – Cantoria e Poesia

O evento é um espaço de discussão e troca de ideias sobre temáticas relacionadas à sustentabilidade, desenvolvimento urbano e meio ambiente. A Roda é realizada pelo Instituto de Permacultura da Bahia, em parceria com a TOCA Ambiental e o Teatro Vila Velha.

O IPB, associação civil de direito privado sem fins econômicos e lucrativos, atua desde de 1992, ano de sua fundação, como geradora de processos de aprendizagem e transformação social por diversos territórios no estado, valorizando os saberes que permeiam a ética do cuidado e o saber dos povos tradicionais.

Serviço:
Rodas Permaculturais de Conversa: “O lugar da permacultura frente aos desafios contemporâneos da sociedade mundial”
14 de março, quarta-feira, a partir das 16h
Cabaré dos Novos, Teatro Vila Velha
Entrada gratuita

Foto de Permacultura Bahia.

 

Rodas Permaculturais

Público

Fonte: https://www.facebook.com/events/228822290998371/

Juventude Negra debate: Genocídio, segurança coletiva e drogas

Juventude Negra debate: Genocídio, segurança coletiva e drogas

A roda de conversa “Juventude Negra debate: Genocídio, Políticas de Drogas e Estratégias de Segurança Coletiva” é um espaço proposto pelo Fórum de Promoção da Igualdade Racial (FOPIR), Odara Instituto da Mulher Negra, Centro de Estudos das Relações de Trabalho e Desigualdades (CEERT), e Observatório de Favelas e Redes da Maré, e tem por objetivo reunir ativistas das lutas Contra o Genocídio da População Negra, ativistas e pesquisadores pela legalização das drogas, ativistas e profissionais do Direito, e militantes negras e negros em geral, principalmente da juventude, para debater estratégias de segurança coletiva para as comunidades e juventude negra. O aumento do encarceramento em massa e do assassinato de pessoas negras, especialmente os jovens, a crescente truculência das polícias, a permanência da seleção racial no sistema de justiça, o aumento do militarismo e do paramilitarismo nas comunidades negras exige de nós, estratégias autônomas de prevenção à violência, encarceramento e morte dos jovens negrxs, alvos preferenciais da política de segurança pública. Este espaço pretende traçar alternativas de como os movimentos e comunidades negras podem prevenir e agir diante de situações de vitimização da juventude.

 

Articulação de Organizações de Mulheres Negras Brasilieras (AMNB) – FSM 2018

#MulheresNegras #FSM #AMNB #FeminismoNegro

Nos dias 14 e 15 de março, a Articulação de Organizações de Mulheres Negras Brasilieras (AMNB) estará realizando o Fórum Permanente de Mulheres Negras: Avaliação dos 30 anos do Encontro Nacional de Mulheres Negras. O evento se consolida como um momento impulsionador de reflexões importantes para a história, conjuntura e luta das mulheres negras brasileiras, da América Latina e do Caribe durante a realização da 13ª edição do Fórum Social Mundial/2018.

O Fórum Permanente de Mulheres Negras adotou como ponto de partida dois grandes marcos presentes na história, sobre tudo, no que diz respeito à participação política das mulheres negras no Brasil – O I Encontro Nacional de Mulheres Negras realizado em Valença (RJ), em 1988 e a Marcha das Mulheres Negras Contra o Racismo, a Violência e Pelo Bem Viver, que aconteceu em Brasília, em 2015.

A idéia é que a partir destes dois marcos as mulheres negras possam reviver práticas, estratégias, experiências da diáspora de modo a estabelecer um amplo debate com aquelas que participaram da construção de ambos processos organizativos com foco na reflexão dos 30 anos de organização contemporânea do movimento de mulheres negras brasileiras.

O que? Fórum Permanente de Mulheres Negras: Avaliação dos 30 do Encontro Nacional de Mulheres Negras

Quando? 14\03 – Manhã das 9h às 13h;
15\03 – Manhã das 9h às 12h
Tarde das 14h às 16h

Local? Quadra da Coordenação de Desenvolvimento Agrário (CDA) – Av. Adhemar de Barros, 986 – Ondina, Salvador, em frente a UFBA.

A imagem pode conter: 17 pessoas, pessoas sorrindo, texto
Fonte:  https://www.facebook.com/AMNB-Articulac%C3%A3o-320675438088728/?hc_ref=ARRpXUTBjdxn-MwbbjJN-UHhvUSXZr-jgJSUg3hCD7g9PSRpJ9WnKqn_2ANLlh-VFcA

Fundação Obama lança programa de bolsas na Universidade de Chicago

Fundação Obama lança programa de bolsas na Universidade de Chicago

Depois de lançar fellowships e convocar líderes do mundo todo para uma conferência, a Fundação Obama lançou mais um programa focado em desafios globais e lideranças. Dessa vez, trata-se de um programa de bolsas de estudo que selecionará 25 estudantes para estudar na Universidade de Chicago, nos Estados Unidos. Para se candidatar, é necessário submeter os documentos exigidos até 10 de abril.

Por Priscila Bellini no ESTUDARFORA

O vínculo de Obama com a Universidade de Chicago já vem de longa data. O ex-presidente americano passou pela instituição de ensino como professor, entre 1992 e 2004, antes de iniciar o mandato como senador.

Como se inscrever para as bolsas da Fundação Obama

O processo de seleção está aberto para alunos que tenham interesse em um mestrado específico da instituição de ensino americana: o mestrado em políticas públicas e desenvolvimento internacional, da Harris School of Public Policy. Ao longo do curso, os alunos optam por nove disciplinas – que incluem matérias voltadas aos fundamentos da análise de políticas e de desenvolvimento, bem como eletivas. Cabe ao aluno moldar o programa a seus interesses, em assuntos como saúde, meio ambiente e direitos humanos.

Pensando no programa de mestrado, a Fundação Obama estabeleceu alguns critérios para selecionar os futuros bolsistas. É necessário ter experiência profissional “significativa” (em média de três a cinco anos), com uma trajetória de impacto social crescente, assim como histórico de trabalho pelo bem comum e interesse de aplicar os conhecimentos obtidos no mestrado em sua comunidade.

Os interessados na iniciativa, que se encaixem no perfil estabelecido por Obama, precisam submeter uma candidatura unificada, que vale para o mestrado e para o sistema de bolsas de estudo. Entre os documentos exigidos, estão histórico acadêmico, teste de proficiência em inglês(como o TOEFL), currículo detalhado com experiências profissionais e comunitárias e três cartas de recomendação. Não é necessário enviar o resultado de testes como o GRE.

Também é necessário escrever dois essays temáticos. O primeiro deles deve tratar do trabalho atual do candidato e seu impacto social, bem como os desafios encontrados pelo candidato e as formas como conseguiu resolvê-los. Já o segundo refere-se a planos futuros: qual impacto pretende ter no mundo, como o programa de bolsas da Fundação Obama poderá ajudar e qual é seu “plano B”, caso não seja selecionado.

Quais os benefícios

Um dos benefícios oferecido é justamente o apoio financeiro integral, que contempla desde despesas com a anuidade da Universidade de Chicago até a manutenção no país durante o curso. Outro aspecto importante da iniciativa criada pela Fundação Obama tem a ver com oportunidades de networking com líderes, mentoria com profissionais experientes que façam parte da rede e conferências e cursos nos Estados Unidos.

Para saber mais detalhes das bolsas e se inscrever, basta acessar o site da Universidade de Chicago.

Fonte: https://www.geledes.org.br/fundacao-obama-lanca-programa-de-bolsas-na-universidade-de-chicago/?platform=hootsuite

Pessoas com deficiência marcham por direitos no FSM2018

Pessoas com deficiência marcham por direitos no FSM2018

Representando cerca de 45 milhões da população brasileira, as pessoas com deficiência prometem ocupar espaço dentro da programação do forum Social Mundial que acontece em Salvador, de 13 a 17 desse mês.

O Coletivo Baiano de Pessoas com Deficiência, grupo de trabalho formado para organizar as atividades dessa população no encontro, planeja marcar presença na marcha de abertura do evento que acontece na próxima terça feira, 13, as 15 h, saindo do Campo Grande até a Praça Castro Alves, culminando com um encontro cultural animado por diversos artistas e coletivos vindos de diversas partes do mundo. O destaque da ala das pessoas com deficiência é a participação das pessoas que convivem com albinismo que marcharão com sombrinhas efaixas com palavras de ordem reivindicando direitos e justiças social.

Também é planejado realizar uma atividade de convergência de organizações de pessoas com deficiência de diferentes países e territórios do mundo sobre o tema “Convenção Internacional sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência: avanços e desafios” Representantes de associações de outros países e continentes são esperados neste sentido, para destacar os avanços e desafios para a implementação da convenção internacional. Esses representantes devem vir de países africanos, particularmente de Marrocos. A Convenção Internacional representa um quadro legislativo de referência para associações de pessoas com deficiência em todo o mundo. Ela aponta os alicerces de outro mundo possível de justiça social e ambiental, no sentido de uma sociedade inclusiva, acessível e democrática que respeite as diferenças entre os seres humanos. A Convenção Internacional indica estratégias de ação nesta direção. No entanto, mais de dez anos após a sua concepção (e 10 anos após a ratificação pelo Brasil), a Convenção Internacional continua sendo uma bela carta de intenção, que ainda precisa ser aprofundada e implementada nos territórios do mundo. Avanços aparecem sob várias formas, por exemplo com a adaptação da legislação local, ou com o desenvolvimento de iniciativas de promoção da acessibilidade e de acesso inclusivo aos serviços, mas eles geralmente são insuficientes. Quais são esses avanços? Quais são os desafios e as possíveis e/ou necessárias estratégias para uma implementação mais efetiva dos conteúdos defendidos e promovidos pela Convenção? Estas são algumas das questões que devem orientar os debates dentro da atividade de convergência.

Grupos e associações da área da deficiência interessados em participar dessas atividades e particularmente da atividade de convergência que ocorrerá no campus da UFBA, em Ondina, as 14 h do dia 14 de março, devem entrar em contato com o coletivo através do correio: mobilizapcdfsm2018@gmail.com

#PraCegoVer: Num fundo branco, um berimbau, um caxixi e uma baqueta, localizados na lateral esquerda da imagem. Na ponta superior do berimbau, três fitas nas cores vermelha, amarelo e verde. Ao lado, em azul marinho, uma palavra embaixo da outra formam o título: Fórum Social Mundial. Abaixo do título, os continentes, Oceania na cor verde, América do Norte e Central e Europa em Azul, América do Sul em vermelho, África em preto, e Ásia na cor amarelo. Na base dos continentes, a frase em tom de azul escuro: 13 a 17 de março / 2018. Sob a data, numa tarja azul marinho, com letras brancas em caixa alta, a frase: RESISTIR É CRIAR RESISTIR É TRANSFORMAR. Na parte inferior da imagem o texto em caixa alta, em tom de azul escuro: SALVADOR | BA | BRASIL

Editora da UNEB abre seleção para publicação de 20 obras: 13/03 a 04/05

Editora da UNEB abre seleção para publicação de 20 obras: 13/03 a 04/05

Editora da UNEB (EdUNEB) vai abrir seleção para preenchimento de vagas para publicação de livros pelo Programa de Edição de Livros do calendário 2018 – 2019 da editora.

Para concorrer ao edital, é necessário que pelo menos um dos autores ou organizadores possua vínculo ativo com a UNEB como docente ou técnico administrativo, sendo elegíveis ainda: egressos de programas de mestrado e doutorado da UNEB no máximo há três anos.

Os interessados podem realizar as inscrições entre os dias 13 de março a 4 de maio, das 8h às 17h, na EdUNEB, no Campus I da universidade, em Salvador, mediante apresentação da documentação especificada no edital de seleção. Há ainda a opção de se inscrever pelos Correios, via Sedex.

Serão selecionadas 20 obras originais e inéditas para publicação, podendo ser autoral ou coletânea, devidamente avaliadas e aprovadas pelo conselho editorial.

O resultado final está previsto para ser divulgado no dia 18 de outubro de 2018 no site da EdUNEB.

Informações: eduneb.secretaria@gmail.com.

Fonte: https://portal.uneb.br/noticias/2018/03/08/editora-da-uneb-abre-selecao-para-publicacao-de-20-obras-1303-a-0405/

Comissão da Feira de Economia Solidária divulga lista completar dos empreendimentos selecionados para Feira

O Grupo de Trabalho da Economia Solidária do Fórum Social Mundial 2018 divulga a lista complementar com os nomes dos empreendimentos econômicos solidários que participarão da Feira.

A comissão levou em consideração como um dos critérios principais os empreendimentos econômicos solidários observando os seguintes aspectos: grupos coletivos, participação em movimentos de Economia Solidária, gestão associativa, povos tradicionais, empreendimentos sociais e da saúde mental, diversidade de produtos, de segmentos e a diversidade de territórios, estados e países nas respostas do questionário. Esta definição também levará em conta as exigências legais brasileira, estaduais e municipais e os espaços disponíveis.

VEJA A LISTA COMPLETA: LISTA SELECIONADOS FEIRA ECOSOL

O empreendimento selecionado tem até esta segunda-feira (12), para efetuar o pagamento da inscrição, através de depósito na conta:

Associação Brasileira de Organizações Não Governamentais – ABONG
Banco do Brasil
Agencia: 1202-5
C/C: 12235-1

Após o depósito, é imprescindível enviar a cópia/foto do comprovante de depósito para o email:  feirafsm2018@gmail.com

Comunicação Compartilhada do FSM 2018.

Comissão da Feira de Economia Solidária divulga lista completar dos empreendimentos selecionados para Feira

Programação das atividades dos PPGSS da UNEB durante o Fórum Social Mundial 2018

Programação das atividades dos PPGSS durante o Fórum Social Mundial 2018

Autor: nbarbosa
Publicado em: 9 de março de 2018 (sexta-feira) as 14:21
Categorias: Chamadas, Destaque, Gabinete, Pós-Graduação

O Fórum Social Mundial (FMS 2018) é um evento que envolve movimentos sociais de várias partes do mundo, a fim de elaborar alternativas para uma transformação social global. A 13ª edição do Fórum Social Mundial será realizada em Salvador entre os dias 13 e 17 de março e abordará o tema Resistir é Criar, Resistir é transformar.

A participação da UNEB no Fórum Social Mundial 2018 como espaço formativo de estudantes, professores, técnico-administrativos e comunidade regulamenta através da Portaria Nº 682/2018publicada no diário Oficial do Estado no dia 06/03/2018. A Portaria tem como objetivo validar as atividades de ensino, pesquisa e extensão na UNEB, no período de 13 a 17 de março de 2018, desenvolvidas através da participação comprovada de estudantes, professores, técnicos-administrativos e comunidade nas ações do FMS 2018.

Dando continuidade à programação da UNEB no FSM 2018, a Pró-Reitoria de Pesquisa e Ensino de Pós-Graduação (PPG) convidou os coordenadores e colegiados dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu  (PPGSS) a promover atividades com temáticas relacionadas FSM 2018 no período de 13 a 17/03/2018.

Programação de atividades dos PPGSS durante o Fórum Social Mundial 2018:

Mais informações em: https://portal.uneb.br/ e https://wsf2018.org/o-fsm-2018/.

Fonte: http://www.ppg.uneb.br/topico/atividades-ppgss-fsm2018/

UNEB participa do Fórum Social Mundial 2018 com extensa programação gratuita

UNEB participa do Fórum Social Mundial 2018 com extensa programação gratuita

A UNEB vai participar do Fórum Social Mundial (FSM 2018), que acontece entre os dias 14 e 17 de março, com extensa programação gratuita e aberta ao público.

Entre as atividades já confirmadas estão a Plenária dos Povos e Comunidades Tradicionais Africanas e de Terreiros, que acontecerá nos dias 14 e 15 de março no teatro da Universidade, em Salvador.

A iniciativa reserva debates distribuídos em seis eixos temáticos, entre eles: Crimes e Racismo Religioso, Articulação Política e Organização, e Na encruzilhada da Contemporaneidade.

A programação na UNEB conta ainda com o Fórum Estadual de Educação do Campo (FEEC/Bahia), no dia 14 de março, com a realização de relatos de experiência e plenária sobre Educação do Campo, Políticas Públicas e Democracia.

O evento terá ainda debates sobre Territoriedade Quilombola: conquistas e desafios; Educação Popular e Formação Política junto aos Movimentos Sociais; Comunicação Acessível como Direito Humanos; e A Extensão Universitária e sua Contribuição para a Transformação Social, além de atividades políticas e culturais.

Além das ações que serão realizadas e acolhidas na UNEB, a universidade também participará do FSM 2018 em outros espaços através de palestras, rodas de conversas, lançamentos de livros. Destaque para a Conferência O dia do Samba e Édison Carneiro, que será proferida pelo professor Gildeci Leite no dia 14, às 14h, em local a ser definido.

Informações: unebforumsocialmundial@gmail.com.

Fonte: https://portal.uneb.br/noticias/2018/03/10/uneb-participa-do-forum-social-mundial-2018-com-extensa-programacao-gratuita/

Colóquio Internacional- Praticar, (Se)Formar (às), Repensar e Questionar as Pedagogias Emancipatórias – Atualidade e Debates

Colóquio Internacional / Colloque International / International Conference / Coloquio Internacional Pratiquer, (se) former (aux), (re)penser et questionner les pédagogies émancipatrices – actualités & débats Praticar, (Se)Formar (às), Repensar e Questionar as Pedagogias Emancipatórias – Atualidade e Debates
París, 8-9 de junho de 2018

Embora o trabalho do brasileiro Paulo Freire seja uma grande referência no mundo, particularmente na América do Norte (um dos mais citados nos EUA), América do Sul, África do Sul, que Institutos Paulo Freire tenham sido criados em várias partes do mundo (Brasil, Grã-Bretanha, Portugal, África do Sul, etc.), que o seu pensamento esteja na base das pedagogias críticas, constatamos que na esfera francófona o trabalho de Freire goza de menos vivacidade (Pereira, 2017a). Apesar dos esforços de um grupo criado após a morte de Paulo Freire, nomeadamente o círculo da pedagogia emancipatória (Garibay, Séguier et al., 2009/2013), o qual permitiu a reedição francesa em 2001 da Pedagogia do Oprimido (as primeiras edições rapidamente esgotaram), o pouco impacto das teorias de Freire é especialmente vigente em França. É possível relevar algumas obras, embora raras, inspiradas pela pedagogia da conscientização na área francófona, nomeadamente no Québec (Solar 1992, Thésée e Carr 2014, Potvin 2014), na Suíça (2015 Mottiez-Lopez, Collet 2016) e, em menor escala, na França (Eneau 2003, Jeziorski 2017, Pereira 2017b), incluindo algumas teses de doutoramento defendidas recentemente (Devieilhe 2013, Dor 2017, Weksler 2015, Braeuner-Magar 2017).

Um dos objetivos deste coloquio é promover e divulgar em França e em francês estas pedagogias e correntes que o pensamento e a prática de Paulo Freire suscitaram. Acresce o interesse pelo facto de observarmos uma proliferação no plano do desenvolvimento teórico e prático, no que diz respeito a pedagogias anti-opressivas, anti-racistas e feministas, pedagogias queer e descolonial, todas elas esferas interseccionais. De notar que o seu pensamento também inspira o ensino pela justiça social.

Na senda do trabalho de Paulo Freire, a pedagogia crítica desenvolveu-se desde a década de 1980 em várias áreas linguísticas (principalmente na lusófona, hispanófona e anglófona) e geográficas (América do Norte e do Sul, Europa do Norte, Península Ibérica , África do Sul, Austrália, Palestina, Estado de Israel …).

Na América do Sul, a pedagogia crítica deu origem a várias experiências, tais como as Escolas Cidadãs (Brasil), as escolas do movimento dos sem-terra (MST), os bachillaretos populares (Agentina) ou ainda as escolas no Chiapas (Mexico). Na continuidade da pedagogia de Paulo Freire, emergiram modelos de eco-pedagogia e de pedagogia descolonial.

Este dinamismo da pedagogia crítica também está bastante presente nos Estados Unidos. Na década de 1980, a pedagogia crítica desenvolveu-se com base na teoria crítica da Escola de Frankfurt. Ela inspirou a feminista afro-americana, bell hooks, que, em diálogo crítico com Paulo Freire, elaborou a sua pedagogia militante (Hedjerassi 2016, Dor 2017). A partir da década de 1990, houve um diálogo entre abordagens marxistas da pedagogia crítica e da educação multicultural. A pedagogia crítica foi doravante confrontada ao surgimento de novas tendências: a pedagogia crítica feminista, a pedagogia queer, a pedagogia culturalmente relevante (em associação com a teoria crítica da raça), a pedagogia crítica dos meios de comunicação, a pedagogia crítica do hip hop… Em contraste, os anos 2010 podem ser interpretados como marcados pelo desejo de reunificação teórica entre as diferentes pedagogias de luta contra as opressões.

A Europa não permaneceu fora deste movimento. Os países escandinavos experimentam o surgimento de uma corrente mais específica, a pedagogia crítica da norma. Algumas obras são particularmente notáveis, como a de Peter Mayo, sobre a formação de adultos com base na obra de Freire e Gramsci, o trabalho de Boaventura de Sousa Santos sobre a pedagogia do conflito ou ainda de Jurjo Torres sobre a justiça curricular.

Apesar da sua diversidade teórica (teoria crítica, interseccionalidade, pensamento descolonial, teoria queer, teoria dos privilégios…), as pedagogias críticas têm características comuns. Elas baseiam-se num trabalho de conscientização de opressões e privilégios com o intuito de organizar uma transformação da sociedade tendo por fim a justiça social. Esta conscientização realiza-se tanto para professores e educadores, como para alunos e aprendizes, em todas as configurações e contextos.

Um dos objetivos do Colóquio é fazer uma panorâmica da situação existente, tanto em termos de produções teóricas que nas suas formas e modalidades de expressão, nas suas concretizações, na experimentação de práticas alternativas/subalternativas (Guénif 2016), aprendizagens em contra-corrente (movimento das “primaveras árabes”, movimento Occupy, İndignados, “movimentos das praças” – Tahir, Taksim, nuid débout… – Zad, movimentos de solidariedade com os migrantes…). Esperamos neste sentido propostas que contribuam para as seguintes questões ou qualquer outra pertinente para o nosso tema :

  • Quais as evoluções ao nível terminológico, tendo em conta que os termos e noções têm-se desmultiplicado, variando de acordo com os contextos temporal, geográfico e linguístico? Por exemplo, de que maneira as pedagogias emancipadoras se distinguem das pedagogias libertadoras? Observamos mudanças em relação ao objetivo sociopolítico e transformador na abordagem freiriana?
  • Quais são as evoluções e as tendências da pedagogia crítica? Que pedagogias críticas?
  • De que maneira essas pedagogias podem ajudar a pensar de novo a emancipação e a educação dentro e fora da escola?
  • De que maneira as pedagogias emancipadoras, nomeadamente as críticas, ajudam a combater os sistemas de opressão que estão na origem das discriminações e das desigualdades sociais e de género …?
  • Em que medida as pedagogias críticas podem participar de uma educação crítica dos meios de comunicação, especialmente os média digitais?
  • Como é que as pedagogias emancipadoras, nomeadamente as críticas, ajudam a transferir o conhecimento da investigação sobre desigualdades e discriminações nas práticas profissionais dos professores e educadores em geral? Como é que eles podem contribuir para a (trans)formação dos conhecimentos num diálogo crítico entre esses diferentes mundos?
  • Como é que as pedagogias emancipadoras, especialmente as críticas, nos ajudam a criar espaços, por exemplo educacionais ou profissionais, em lugares mais inclusivos?

Em associação a projetos de investigação que estão em curso de finalização, o colóquio incluirá:

  • Um simpósio dedicado à pedagogia crítica dos média digitais em associação com o projeto Parcours Connectés (projeto E-Fran 2016).
  • Uma sessão dedicada às práticas da pedagogia crítica no contexto de transferência de conhecimentos resultante da pesquisa em prática profissional no âmbito do projeto IDEA (Iniciativa de Excelência em Formações Inovadoras, Universidade Paris-Est).

A vontade de unir mundos académicos, mundos educacionais, mundos militantes (especialmente mundos pedagógicos), da educação formal à educação popular, informal, crianças / adultos, convidamos a uma submissão em formatos plurais: proposta teórica, estado da arte, apresentação de pesquisa com corpus empírico, mas também oficinas, cenários práticos, realizações. De acordo com os princípios da pedagogia freiriana, o desafio é criar um espaço de diálogo entre as várias formas de conhecimento, provenientes do mundo académico, mas também do mundo militante, profissional, artístico e assim por diante. O objetivo é proporcionar um espaço de aprendizagem para académicos, profissionais, ativistas, artistas que visam desenvolver os seus conhecimentos num diálogo crítico. Concebemos aprender como um processo que pode ocorrer tanto num ambiente formal como informal.

Propostas de comunicação:
A comunicação é apresentada por um ou mais autores. As comunicações orais serão agrupadas em sessões temáticas.
Cada apresentação (máximo de 3000 caracteres, incluindo espaços) incluirá:

  1. um título
  2. uma apresentação da problemática, a explicação do quadro teórico,
  3. de acordo com o tipo de pesquisa (empírica, histórica, filosófica …), a apresentação da metodologia, o corpus (derivado de um estudo empírico, documentário ou arquivístico) ou elementos de discussão filosófica ou teórica,
  4. palavras-chave,
  5. referências bibliográficas.

Simpósio ou workshop:
Cada proposta (cerca de 4500 caracteres, incluindo espaços) incluirá:

  1. informações sobre: o coordenador, os contribuidores (nome, instituição)
  2. um título
  3. uma breve apresentação da problemática geral das contribuições ou das experiências ou concretizações propostas,
  4. 3-4 palavras-chave.

Idiomas de trabalho: Francês, Espanhol, Português, Inglês. De acordo com as propostas de apresentação, serão criadas sessões de idiomas. Para as conferências convidadas em sessões plenárias, será proposta uma tradução simultânea.

Publicação: Uma publicação numa revista é prevista.
Calendário:

  • 31 de janeiro de 2018: prazo para envio
  • Março de 2018: limite de retorno das avaliações
  • Abril de 2018: limite de inscrição

Datas do Colóquio & Localização: 8-9 de junho de 2018, Paris.

A Comissão Organizadora
Naïma ANKA IDRISSI, Université Paris 8/ Experice (EA3971)
Lila BELKACEM, Université Paris Est Créteil/ ESPE de l’académie de Créteil/LIRTES (EA7313)
Tal DOR, Université Paris 8/ Experice (EA3971)
Hervé DUCHAUFFOUR, Université Paris Sorbonne/ESPE de l’académie de Paris/CERLIS (UMR 8070)
Fanny GALLOT, Université Paris Est Créteil/ESPE de l’académie de Créteil/CRHEC (EA 4392)
Nacira GUÉNIF, Université Paris 8/ Experice (EA3971)
Nassira HEDJERASSI, Université Paris Sorbonne/ESPE de l’académie de Paris/ GIS RREEFOR-ESPE (Axe 3)
Irène PÉREIRA, Université Paris Est Créteil/ESPE de l’académie de Créteil/LIS (EA4395)

Contacto e informação:
E-mail: jose.reyes@espe-paris.fr
Site: http://emancipaeda.hypotheses.org

Fonte:http://plataforma9.com/congressos/coloquio-internacional-pedagogias-emancipatorias.htm?envbol=86&sus=c013a016-3ffe-442a-8874-3ecf9f9c937e

Encontro Internacional Os Novos Diálogos na Educação de Jovens e Adultos – 7 a 9 de maio de 2018 em Pátzcuaro, Michoacán, México

Encontro Internacional Os Novos Diálogos na Educação de Jovens e Adultos – 7 a 9 de maio de 2018 em Pátzcuaro, Michoacán, México

Perfil do participante
Pesquisas cujas linhas de sequas pesquisadas orientadas para tópicos descritos anteriormente – educação;
Professores de todos vocês, mais especialmente os promotores da educação para jovens e adultos;
Organizações da sociedade civil (OSC) focadas na educação;
Funcionários públicos ligados aos Ministérios da Educação ou outras agências governamentais (em todos os níveis) relacionados à educação;
Autoridades e financiadores de organizações internacionais dedicadas à educação;
 
Temática
Competições cognitivas do doculo 21
Tecnologia Educacional
Pedagogia da STEAM (Ciência, Tecnologia, Engenharia, Arte e Matemática)
Habilidades socio-emocionais
Ou ensino competente
A educação, cidadania e sociedade
Como reformas das políticas educacionais
A educação e línguas indígenas
Para a academia académica internacional
Uma educação formal, formal e informal
 
 
Tipos de intervenções
Mestre Conferência
Painéis de discussão
Palestras
Mesas redondas
Workshops
 

Antecedentes

O Centro de Cooperação Regional para a Educação de Adultos na América Latina e no Caribe (CREFAL) é uma organização internacional autônoma criada em 1951 para estabelecer um quadro de cooperação regional para a educação de jovens e adultos, através de treinamento especializado, promoção de pesquisa e sistematização do conhecimento, disseminação e intercâmbio de experiências e informações sobre instituições educacionais entre especialistas, pesquisadores, funcionários públicos e professores.

A missão do Centro é “contribuir ou desenvolver jovens e adultos na América Latina e não no Caribe como indivíduos individuais que formam
apenas comunidades, através de geração e transferência de conhecimento e práticas como uma abordagem para as partes interessadas relevantes, a fim de impactar a agenda público “.

Nesse sense, ou CREFAL, interessado em promover ou dialogar e facilitar a cooperação com os países como um todo ou com a intenção de criar novas alianças com diferentes atores, não uma organização acadêmica, social e governamental, chama ao Encontro Internacional intitulado “Os Novos Diálogos na Educação de Jovens e Adultos “, que se realizará de 7 a 9 de maio de 2018 em Pátzcuaro, Michoacán, México.

Fonte:http://dev.crefal.org/epja/#!/

Carta Aberta convoca Fórum Social Mundial 2018 em Salvador

Memórias Narrativas do V SEJATIS

Em sua quinta edição, aconteceu entre os dias 12 e 14 de setembro de 2017 o Seminário de Educação de Jovens e Adultos do Território de Identidade do Sisal (V SEJATIS) com o tema “Desenvolvimento Local e Agricultra Familiar: Dialogos, Práticas e Emergências na EJA” e a participação de 250 pessoas de 13 cidades: Valente, Araci, Barrocas, Santaluz, Serrinha, Riachão do Jacuípe, Salvador, Teofilândia, Monte Santo, Irará, Conceição do Coité, Florianópolis, Seabra, Lauro de Freitas entre os três dias de atividades.

A conferência de abertura proferida pelo Prof. Dr. Clécio Azevedo da Silva (UFSC ) com o tema “Agricultura Familiar, Patrimônio Alimentar e Desenvolvimento Local.” contou com a participação de estudantes e docentes da EJA, professores da UNEB, integrantes dos Movimentos Sociais sisaleiro.

Em parceria com Secretaria Municipal de Educação de Valente (Ba) e Fundação APAEB, o OBEJA organizou diversas atividades para debater/propor/vizibilizar experiências sobre a EJA no contexto da Agricultura Familiar como mesas redondas, oficinas, atividades culturais, sessões de comunicações e relatos pedagógicos de experiências sobre a EJA no Território de Identidade do Sisal.

Escolas Municipais, A rede Ponto Nosso, a FATRES e a Fundação APAEB exporam  produtos construídos/cultivados pelos sujeitos  sociais que transitam entre a EJA e a Agroecologia com objetivo de conhecer os contextos – formação que constituem o Território de Identidade do Sisal, mas também organizar redes de sociabilidades territoriais na Bahia/Brasil com intuito problematizar os discursos e os raciocínios pedagógicos que fundamentam a seletividade ou as seletividades nos modos como as práticas pedagógicas veem, refletem ou falam sobre si e os Sujeitos da EJA.

21462285_927502287390309_6110283949557113062_n

21616306_1565932936779162_5262133830750666941_n

21762035_1565932890112500_6161313480591222093_n

19105599_1565936933445429_2612153525644914505_n

21462271_927502437390294_4071302580339594777_n

21616121_1565936666778789_8846391678536850171_n

21616164_1565932523445870_5535285638619318201_n

21616488_1565932510112538_1864379708031245229_n

21618027_1565932516779204_1493708029439096873_n

21685937_1565936663445456_7601541046836266540_n

21686132_1565936920112097_3285613752777092356_n

21687648_1565932756779180_7795596735445995859_n

21687748_1565932636779192_5860973698759475592_n

21730834_1565936816778774_844532867657668870_n

21731000_1565936670112122_1984905082444727875_n

21731364_927502317390306_7862485076387891465_n

21740280_927502397390298_4307393174453821420_n

21740495_927502344056970_5964204044797023765_n

21751866_1565936813445441_4282425756725395916_n

21761930_1565936820112107_1492027855093850472_n

21762218_1565932593445863_4468432322280994528_n

Oficinas Pedagógicas – V SEJATIS

Oficinas– V SEJATIS

 

As inscrições para oficinas serão realizadas hoje (12/09), na Casa da Cultura, e amanhã (13/09), até o encerrarem as inscrições no Colégio Estadual César Borges na cidade de Valente – Ba.

1-Produção de Salada de Pote

Autores:

Letícia Caribé Batista Reis

Cintia Silva Queiroz

Andreia da Silva Ferreira

Rosimar de Souza Junqueira

Leila Maria dos Santos Cristo

Adriana Damiana Pereira Lima

Miguel Camay Ramos de Oliveira

2-Currículo e Equidade

Autora:

Silvana Ferreira da Silva

3-Cartografando: cartografia social, questão agrária, cultura e povos do campo

Autores:

Priscila Teixeira da Silva

Luís Geraldo Leão Guimarães

4-Entre Narrativas e Lugares – Histórias, Memórias e Oralidade

Autores:

Katiuscia da Silva Santos

Paulo José Pereira dos Santos

Tarsis de Carvalho Santos

Silvia Letícia Costa Pereira Correia

5-Currículos e Metodologias de Formação Participativa na Docência

Autores:

Nadja da Cruz Silva

Lilian Almeida dos Santos

6-Educação e Violências em Espaços Escolares

Autor:

Marcos César Guimarães dos Santos

7-Formação em Serviço de Coordenadores da EJA

Autor:

Edson Barreto Lima

 

V SEJATIS – Prorrogadas Inscrições até 05/09/2017

Inscrições prorrogadas para Submissão de Comunicações Orais, de Relatos Pedagógicos de Experiências e de Oficinas Pedagógicas –  V Seminário do Observatório de Educação de Jovens e Adultos do Território de Identidade do Sisal 

A comissão organizadora do V Seminário do Observatório de Educação de Jovens e Adultos do Território de Identidade do Sisal Bahia com tema “Desenvolvimento Local e Agricultura Familiar: Diálogos, Práticas e Emergências na EJA ” vem por meio deste comunicar a abertura de inscrição para Comunicações Orais, de Relatos Pedagógicos de Experiências e de Oficinas Pedagógicas, assim  convida a todos pesquisadores acadêmicos, estudantes e docentes da EJA, graduandos de instituições públicas e privadas do Território de Identidade do Sisal e da Bahia a participarem  do processo seletivo.  

O evento acontecerá nos dias 12  a 14 de setembro de 2017 na Casa da Cultura de Valente (Ba).

Orientações para inscrições

Inscrições sem apresentação de trabalhos –  01/ 08 a 12/09 de  2017 (Gratuitas).

Inscrições com apresentação de trabalhos e/ou Realização de Oficinas – 01 /08  a 05/09 de 2017 (Gratuitas).

Resultado dos trabalhos  aprovados até 08/09/2017 no sitio OBEJA e por e-mail (Carta de Aceite).

Todos os resumos aprovados para Comunicação Oral e/ou Relatos Pedagógicos de Experiências serão publicados, em formato completo, nos Anais do evento (digital).

O resumo, deve abordar  EJA, Desenvolvimento Local Sustentável e/ou Agricultura Familiar,  deverá explicitar, objetivamente, o problema, os objetivos, a metodologia, os resultados obtidos ou esperados de acordo com a norma ABNT NBR 6028. 

O artigo completo só será exigido após avaliações dos resumos, via e-mail individual para autor (es), pelo Comitê Científico do V SEJATIS para publicação numa revista digital a ser divulgada.

O evento é totalmente gratuito e organizado pelo Observatório de Educação de Jovens e Adultos do Território de Identidade do Sisal (OBEJA).

Cronograma de inscrições –  V SEJATIS

Link de Inscrição

Seleção de Monitoria Acadêmica

Inscrições (01/08 a 05/09/2017)

https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSeZCDBFkyXz0SCtSVTs3KB4tMW0cHuRImeMw2IYgj67KMx-Yg/viewform

Proposta de Oficina

Inscrições (01/08 a 05/09/2017)

https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSdw0l_tHvh5WNX6kGvd5SZ31TeHjX0dPtSHFRQsKegyATbwYA/viewform

Comunicações Orais

Inscrições (01/08 a 05/09/2017)

https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSdBOBaIm7eb0BECeuy_GcJt42wKp6B0or_ZLHp3a2ereyBsMA/viewform

Ouvintes

Inscrições (01/ 08 a 12/09 de 2017)

https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSdBOBaIm7eb0BECeuy_GcJt42wKp6B0or_ZLHp3a2ereyBsMA/viewform

As dúvidas e solicitações serão realizadas através do e-mail: obejauneb@gmail.com

Chamada para inscrições de Submissão de Comunicações Orais, de Relatos Pedagógicos de Experiências e de Oficinas Pedagógicas – V Seminário do Observatório de Educação de Jovens e Adultos do Território de Identidade do Sisal

Chamada para inscrições de Submissão de Comunicações Orais, de Relatos Pedagógicos de Experiências e de Oficinas Pedagógicas –  V Seminário do Observatório de Educação de Jovens e Adultos do Território de Identidade do Sisal 

A comissão organizadora do V Seminário do Observatório de Educação de Jovens e Adultos do Território de Identidade do Sisal Bahia com tema “Desenvolvimento Local e Agricultura Familiar: Diálogos, Práticas e Emergências na EJA ” vem por meio deste comunicar a abertura de inscrição para Comunicações Orais, de Relatos Pedagógicos de Experiências e de Oficinas Pedagógicas, assim  convida a todos pesquisadores acadêmicos, estudantes e docentes da EJA, graduandos de instituições públicas e privadas do Território de Identidade do Sisal e da Bahia a participarem  do processo seletivo.

O evento acontecerá nos dias 12  a 14 de setembro de 2017 na Casa da Cultura de Valente (Ba).

Orientações para inscrições

Inscrições sem apresentação de trabalhos –  01/ 08 a 12/09 de  2017 (Gratuitas).

Inscrições com apresentação de trabalhos e/ou Realização de Oficinas – 01 a 31/08 de 2017 (Gratuitas).

Resultado dos trabalhos  aprovados até 05/09/2017 no sitio OBEJA e por e-mail (Carta de Aceite).

Todos os resumos aprovados para Comunicação Oral e/ou Relatos Pedagógicos de Experiências serão publicados, em formato completo, nos Anais do evento (digital).

O resumo, deve abordar  EJA, Desenvolvimento Local Sustentável e/ou Agricultura Familiar,  deverá explicitar, objetivamente, o problema, os objetivos, a metodologia, os resultados obtidos ou esperados de acordo com a norma ABNT NBR 6028.

O artigo completo só será exigido após avaliações dos resumos, via e-mail individual para autor (es), pelo Comitê Científico do V SEJATIS para publicação numa revista digital a ser divulgada.

O evento é totalmente gratuito e organizado pelo Observatório de Educação de Jovens e Adultos do Território de Identidade do Sisal (OBEJA).

As dúvidas e solicitações serão realizadas através do e-mail: obejauneb@gmail.com

Cronograma de inscrições

V SEJATIS

Link de Inscrição
Seleção de Monitoria Acadêmica

Inscrições (01 a 31/08/2017)

https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSeZCDBFkyXz0SCtSVTs3KB4tMW0cHuRImeMw2IYgj67KMx-Yg/viewform
Proposta de Oficina

Inscrições (01 a 31/08/2017)

https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSdw0l_tHvh5WNX6kGvd5SZ31TeHjX0dPtSHFRQsKegyATbwYA/viewform
Comunicações Orais

Inscrições (01 a 31/08/2017)

https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSdBOBaIm7eb0BECeuy_GcJt42wKp6B0or_ZLHp3a2ereyBsMA/viewform
Ouvintes

Inscrições (01/ 08 a 12/09 de 2017)

https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSdBOBaIm7eb0BECeuy_GcJt42wKp6B0or_ZLHp3a2ereyBsMA/viewform

folder_v-sejatis-1

 

 

folder_v-sejatis-2

Consulta Pública ao Relatório Educação para Todos no Brasil 2000-2015

Consulta Pública ao Relatório Educação para Todos no Brasil 2000-2015

No ano de 2000, reunidos em Dakar, 164 países assumiram o compromisso de perseguir seis metas de Educação para Todos até 2015. Tais metas são relacionadas ao cuidado e à educação na primeira infância; educação primária universal; habilidades de jovens e adultos; alfabetização de adultos; paridade e igualdade de gênero; e qualidade da educação. Aproximando-se do prazo para alcance das metas, a UNESCO solicitou aos países que produzissem um relatório nacional apresentando o que se alcançou no período (resultados) e como se alcançou (estratégias), bem como os desafios apresentados para o período pós-2015.

Mais que um relatório do governo, o documento deverá constituir um relatório do País. Desse modo, a participação da sociedade civil, por meio de suas diferentes organizações, associações, entidades e indivíduos, é fundamental. O documento, ora apresentado, constitui uma versão preliminar da análise da situação do Brasil em relação às metas de Educação para Todos e hoje, 06/06/2014, é submetido à consulta pública até 19/06/2014. Com as críticas e sugestões da sociedade civil o documento será analisado, revisto e aprimorado, de modo que o resultado final retrate a perspectiva do Brasil sobre sua própria trajetória. O Ministério da Educação aguarda com expectativa esse diálogo com a sociedade sobre os avanços e desafios da educação brasileira.

Clique aqui e consulte o Relatório Educação para Todos no Brasil 2000-2015

Clique aqui e faça suas contribuições ao Relatório Educação para Todos no Brasil 2000-2015

Fonte: http://portal.mec.gov.br/component/tags/tag/36039

Coleção Educação Para Todos

 

Coleção Educação Para Todos

volume 01: Educação de Jovens e Adultos: uma memória contemporânea
Volume 02: Educação anti-racista: caminhos abertos pela Lei Federal nº 10.639/03
volume 03: Construção Coletiva: contribuições à educação de jovens e adultos
volume 04: Educação Popular na América Latina: diálogos e perspectivas
volume 05: Ações Afirmativas e Combate ao Racismo nas Américas
volume 06: História da Educação do Negro e Outras Histórias
volume 07: Educação como Exercício de Diversidade
volume 08: Formação de Professores Indígenas: repensando trajetórias
volume 09: Dimensões da Inclusão no Ensino Médio: mercado de trabalho, religiosidade e educação quilombola
volume 10: Olhares Feministas
volume 11: Trajetória e Políticas para o Ensino das Artes no Brasil: anais da XV CONFAEB
volume 12: Série Vias dos Saberes nº1: O Índio Brasileiro: o que você precisa saber sobre os povos indígenas no Brasil de hoje
volume 13: Série Vias dos Saberes nº2: A Presença Indígena na Formação do Brasil
volume 14: Série Vias dos Saberes nº3: Povos Indígenas a Lei dos “Brancos”: o direito à diferença
volume 15: Série Vias dos Saberes nº4: Manual de Linguística: subsídios para a formação de professores indígenas na área de linguagem
volume 16: Juventude e Contemporaneidade
volume 17: Católicos Radicais no Brasil
volume 18: Série Avaliação nº1: Brasil Alfabetizado: caminhos da avaliação
volume 19: Série Avaliação nº2: Brasil Alfabetizado: a experiência de campo de 2004
volume 20: Série Avaliação nº3: Brasil Alfabetizado: marco referencial para avaliação cognitiva
volume 21: Série Avaliação nº4: Brasil Alfabetizado: como entrevistamos em 2006
volume 22: Série Avaliação nº5: Brasil Alfabetizado: experiências de avaliação dos parceiros
volume 23: Série Avaliação nº6: O que Fazem as Escolas que Dizem que Fazem Educação Ambiental?
volume 24: Série Avaliação nº7: Diversidade na Educação: experiências de formação continuada de professores
volume 25: Série Avaliação nº8: Diversidade na Educação: Como indicar as diferenças?
volume 26: Pensar o Ambiente: bases filosóficas para a educação ambiental
volume 27: Juventudes: outros olhares sobre a diversidade
volume 28: Educação na Diversidade: experiências e desafios na educação intercultural bilíngue
volume 29: O Programa Diversidade na Universidade e a Construção de uma Política Educacional Anti-racista
volume 30: Acesso e Permanência da População Negra no Ensino Superior
volume 31: Escola que Protege: enfrentando a violência contra crianças e adolescentes
volume 32- Diversidade Sexual na Educação: problematizações sobre a homofobia nas escolas
volume 33: I Encontro Nacional de Alfabetização e Cultura Popular

 

Fonte: http://portal.mec.gov.br/pnaes/194-secretarias-112877938/secad-educacao-continuada-223369541/13529-colecao-educacao-para-todos

Abertas as inscrições para V SEJATIS (12 a 14/09/2017 – Casa da Cultura de Valente-Ba)

site-1

 

site-2

Cronograma de inscrições

V SEJATIS                    

Link de Inscrição

Seleção de Monitoria Acadêmica

Inscrições (01 a 31/08/2017)

https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSeZCDBFkyXz0SCtSVTs3KB4tMW0cHuRImeMw2IYgj67KMx-Yg/viewform

Proposta de Oficina

Inscrições (01 a 31/08/2017)

https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSdw0l_tHvh5WNX6kGvd5SZ31TeHjX0dPtSHFRQsKegyATbwYA/viewform

Comunicações Orais

Inscrições (01 a 31/08/2017)

https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSdBOBaIm7eb0BECeuy_GcJt42wKp6B0or_ZLHp3a2ereyBsMA/viewform

Ouvintes

Inscrições (01/ 08 a 12/09 de 2017)

https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSdBOBaIm7eb0BECeuy_GcJt42wKp6B0or_ZLHp3a2ereyBsMA/viewform

O evento é totalmente gratuito e organizado pelo Observatório de Educação de Jovens e Adultos do Território de Identidade do Sisal (OBEJA).

 Arquivo em Pdf – Chamada do V SEJATIS

 

Encceja tem nova data de aplicação da prova

Encceja tem nova data de aplicação da prova

 

O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) anunciou a alteração da data da prova do Encceja (Exame Nacional para Certificação de Competências de Jovens e Adultos). O exame nacional estava previsto para 8 de outubro, agora será aplicado em 22 de outubro.

Outra mudança foi em regras de aplicação, segundo o órgão o participante não poderá levar o seu caderno de questões ao término da prova. Além disso, os institutos federais de educação, ciência e tecnologia poderão emitir apenas a certificação do ensino médio. Já as secretarias estaduais de Educação permanecerão responsáveis pela emissão de certificados tanto do ensino fundamental quanto do ensino médio.

O exame substituirá o Enem no objetivo certificar a conclusão do ensino médio. Esta avaliação não era aplicada desde 2009 e volta, neste ano, para comprovar também o ensino fundamental. O candidato deve ter no mínimo 15 anos completos para realizar a prova do ensino fundamental, enquanto para a prova do ensino médio a idade mínima é de pelo menos 18 anos.

O prazo de inscrição se estende até as 23h59 do dia 18 de agosto e pode ser feita no endereço: Encceja Nacional

Confira as datas do Encceja:

Encceja Nacional

Inscrições: 7 a 18 de agosto

Aplicação: 22 de outubro

Locais de prova: 564 locais distribuídos em todas os Estados brasileiros

Encceja Nacional PPL (pessoas privadas de liberdade)

Adesão das unidades: 14 a 25 de agosto

Inscrições: 21 de agosto a 1º de setembro

Aplicação: 24 e 25 de outubro

Encceja Exterior

Inscrições: 3 a 17 de julho

Aplicação: 10 de setembro

Locais de prova: Estados Unidos (Boston e Nova Iorque), Bélgica (Bruxelas), Guiana Francesa (Caiena), Portugal (Lisboa), Suíça (Genebra), Espanha (Madri), Reino Unido (Londres), França (Paris), Japão (Nagóia, Hamamatsu e Ota), Holanda (Amsterdã)

Encceja Exterior PPL

Inscrições: 3 a 17 de julho

Aplicação: 11 a 22 de setembro

Locais de prova: Guiana Francesa (Caiena) e Japão (Tóquio)

 

Fonte: http://blog.educamaisbrasil.com.br/2017/08/encceja-tem-nova-data-de-aplicacao-da.html

CHAMADA DE TRABALHOS PARA O XII SEMINÁRIO DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO e o X SEMINÁRIO SOBRE A PRODUÇÃO DO CONHECIMENTO EM EDUCAÇÃO

CHAMADA DE TRABALHOS PARA O XII SEMINÁRIO DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO e o
X SEMINÁRIO SOBRE A PRODUÇÃO DO CONHECIMENTO EM EDUCAÇÃO:

Políticas Públicas de Educação: caminhos e descaminhos 

Estão abertas as inscrições para o envio de trabalhos, nas modalidades Comunicação Oral, Pôster e Palavra de Professor/a, para o XII SEMINÁRIO DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO e o X SEMINÁRIO SOBRE A PRODUÇÃO DO CONHECIMENTO EM EDUCAÇÃO: Políticas Públicas de Educação: caminhos e descaminhos

O evento ocorrerá nos dias 23, 24 e 25 de outubro de 2017, nas dependências do Campus I da Universidade, com conferências nacionais e internacionais, oficinas, apresentações de pôsteres e comunicações orais, relativos aos trabalhos em andamento e aos trabalhos concluídos, respectivamente; além da exitosa iniciativa da modalidade Palavra de Professor/a, que envolve professores da Educação Básica e alunos de graduação e de pós-graduação com experiência profissional.

submissão de trabalhos para todas as modalidades – Comunicação Oral, Pôster e Palavra de Professor/a – deverá ser realizada sob a forma de resumo e encaminhada, de acordo com as normas descritas abaixo, para o e-mailxiiseminario.edu@puc-campinas.edu.br até o dia 13 de agosto de 2017.

NORMAS PARA O ENVIO DOS RESUMOS E DO PÔSTER
Os trabalhos encaminhados deverão estar relacionados aos seguintes eixos temáticos:

• Formação de Professores
• Práticas Pedagógicas
• Política Educacional
• Gestão da Educação
• Fundamentos da Educação

Cada trabalho poderá ter até quatro autores e pelo menos um dos autores deve estar inscrito no evento. As inscrições serão gratuitas. Ao enviar seus trabalhos para o Seminário, os autores cedem automaticamente os direitos autorais para publicação do resumo.

No corpo do e-mail deverão constar o título e a modalidade (comunicação oral, pôster ou palavra de professor/a), eixo temático, nome completo dos autores e seus respectivos e-mails, filiação científica de cada autor (departamento, IES, sigla).

Para a modalidade Pôster, cada trabalho será apresentado em até 10 minutos. Nas modalidades Comunicação Oral e Palavra do Professor/a, o tempo de apresentação será de 15 minutos. Em todas as sessões haverá tempo para debate depois das apresentações.

Todos os resumos aprovados para as modalidades Comunicação Oral, Pôster e Palavra de Professor/a poderão ser publicados, em formato completo, nos Anais do evento (digital), com normas e prazo a serem oportunamente divulgados.

Envio dos resumos para as modalidades Comunicação Oral, Pôster e Palavra de Professor/a: UTILIZAR COMO REFERÊNCIA A FORMATAÇÃO DO ARQUIVO “modelo_resumo.docx

Texto do resumo: sem parágrafo (texto corrido), com espaçamento simples, contendo no mínimo 400 palavras e no máximo 500 palavras, seguido de três palavras-chave. 

O resumo deverá explicitar de maneira clara o problema, os objetivos, a metodologia, os resultados obtidos ou esperados, conforme a modalidade em que o trabalho estará inscrito. 

TODOS OS RESUMOS DEVERÃO SER ENCAMINHADOS, PARA O E-MAIL (xiiseminario.edu@puc-campinas.edu.br), EM DOIS ARQUIVOS DIFERENTES – COM IDENTIFICAÇÃO E SEM IDENTIFICAÇÃO

Mais informações em: https://www.puc-campinas.edu.br/eventos/detalhes/?c=MjE5fDE=

Comissão Organizadora:
Prof. Dr. André Pires (PUC-Campinas)
Profa. Dra. Eliete Aparecida de Godoy (PUC-Campinas)
Profa. Dra. Elvira Cristina Martins Tassoni (PUC-Campinas)
Profa. Dra. Maria Auxiliadora Bueno Andrade Megid (PUC-Campinas)
Profa. Dra. Mônica Piccione Rios (PUC-Campinas)

Abertas as inscrições para Seleção de Monitores – V SEJATIS

cartaz-v-sejatis-2

SELEÇÃO DE MONITORIA ACADÊMICA

A comissão organizadora do V Seminário do Observatório de Educação de Jovens e Adultos do Território de Identidade do Sisal Bahia com tema “Desenvolvimento Local e Agricultura Familiar: Diálogos, Práticas e Emergências na EJA ” vem por meio deste comunicar a abertura de inscrição para monitoria e convida todos os estudantes de Graduação e da Educação Básica do Território de Identidade do Sisal  a participar do processo seletivo. O evento acontecerá nos dias 12  a 14 de setembro de 2017 na Casa da Cultura de Valente. Para participar do processo seletivo, o estudante deverá atender aos seguintes critérios.

Critérios para monitoria:

1.Estar regularmente matriculado e frequentando curso de graduação de uma instituição de ensino superior ou escola pública da educação básica no Território de Identidade do Sisal;

2.Ter disponibilidade de, pelo menos, 01 turno diário (de cinco horas) e dispor de turno(s) alternado(s) ao longo do evento;

3.Disponibilidade de participar do treinamento para capacitação de monitores, a realizar-se dia 11 de setembro de 2017 no turno da tarde na Casa da Cultura de Valente , após aprovação neste processo seletivo;

4.Comprometer-se em atuar na função de monitor (a) no(s) turno(s) organizados por esta Comissão de Monitoria para os dias do evento, sendo esta condição fundamental para o recebimento de certificado;

5.É considerado critério classificatório ter participação como monitor em outro evento científico.

São vantagens garantidas aos monitores voluntários:

6.Certificação de Monitoria com a carga horária de 20 horas (se o selecionado participar do treinamento e cumprir o turno diário definido pela referida comissão);

7. Participação no evento após o turno de cumprimento de monitoria;

Documentos exigidos a inscrição:

8. Ficha de inscrição, a ser preenchida neste link: clique aqui ou pelo site obeja.

9. Comprovante de matrícula e atestado de frequência do semestre/ano em curso (apresentar na entrevista);

10. Número de matricula na instituição de vinculação (ficha de inscrição);

Período da inscrição

11.Preencher a ficha de inscrição on line preenchida;

12.As inscrições serão de 01 a 31 de agosto de 2017;

13.O treinamento acontecerá dia 11 de setembro de 2017 no turno da tarde na Casa da Cultura de Valente . A sala que ocorrerá o treinamento será divulgada em tempo hábil na página do evento, após publicação do resultado do processo seletivo.

Atenciosamente,

Comissão Organizadora do V SEJATIS

Abertas as inscrições para proposta de Oficinas – V SEJATIS

cartaz-v-sejatis-2

Proposta de Oficina – V SEJATIS

A comissão organizadora do V Seminário do Observatório de Educação de Jovens e Adultos do Território de Identidade do Sisal Bahia com tema “Desenvolvimento Local e Agricultura Familiar: Diálogos, Práticas e Emergências na EJA ” vem por meio deste comunicar a abertura de inscrição para proposta de Oficinas, assim  convida a todos pesquisadores acadêmicos, estudantes e docentes da EJA, graduandos de instituições públicas e privadas do Território de Identidade do Sisal e da Bahia a participarem do processo seletivo. O evento acontecerá nos dias 12  a 14 de setembro de 2017 na Casa da Cultura de Valente.

O período de inscrições  inscrições para ministrar oficinas é de  01 a 31/08 de 2017 por meio do link: https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSdw0l_tHvh5WNX6kGvd5SZ31TeHjX0dPtSHFRQsKegyATbwYA/viewform

Os resultado dos trabalhos aprovados até 05/09/2017 (envio da Carta de Aceite)

As dúvidas e solicitações serão realizadas através do e-mail:obejauneb@gmail.com

O evento é totalmente gratuito e organizado pelo Observatório de Educação de Jovens e Adultos do Território de Identidade do Sisal (OBEJA).

 

 

Obs.: 1. Serão priorizadas as oficinas que se mostrem mais diretamente relacionadas com o tema do evento .
Obs.: 2. Autor (es) e coautores precisam se inscreve como ouvintes no V SEJATIS caso não apresentem comunicação oral. A inscrição é individual por meio deste link :
https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSdBOBaIm7eb0BECeuy_GcJt42wKp6B0or_ZLHp3a2ereyBsMA/viewform.
Obs.: 3. A oficina será realizada no dia 13.09.2017 (quarta-feira) das 19h às 21h.
Obs.: 4. O deslocamento, a alimentação e a hospedagem é de responsabilidade pelo propositor (es/as) da Oficina

 

Abertas as inscrições para Comunicação de Trabalho – V SEJATIS

cartaz-v-sejatis

A comissão organizadora do V Seminário do Observatório de Educação de Jovens e Adultos do Território de Identidade do Sisal Bahia com tema “Desenvolvimento Local e Agricultura Familiar: Diálogos, Práticas e Emergências na EJA ” vem por meio deste comunicar a abertura de inscrição para Comunicações Orais, assim  convida a todos pesquisadores acadêmicos, estudantes e docentes da EJA, graduandos de instituições públicas e privadas do Território de Identidade do Sisal e da Bahia a participarem  do processo seletivo. O evento acontecerá nos dias 12  a 14 de setembro de 2017 na Casa da Cultura de Valente.

O período de inscrições  para Comunicações Orais  é de  01 a 31/08 de 2017 por meio do link: https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSdBOBaIm7eb0BECeuy_GcJt42wKp6B0or_ZLHp3a2ereyBsMA/viewform

O evento é totalmente gratuito e organizado pelo Observatório de Educação de Jovens e Adultos do Território de Identidade do Sisal (OBEJA).

BOLSAS CLACSO – CLATE desigualdades, exclusão e crise de sustentabilidade nos sistemas de pensões na América Latina e no Caribe

1

BOLSAS CLACSO – CLATE
desigualdades, exclusão e crise de sustentabilidade nos sistemas de pensões na América Latina e no Caribe

Tópico:
As desigualdades, exclusão e crise de sustentabilidade

CARACTERÍSTICAS DA CHAMADA / FUNDAMENTAÇÃO

Esta chamada tem por objetivo aprofundar o conhecimento sobre os sistemas de pensões na América Latina e no Caribe, suas características gerais, os elementos que mantêm ou exacerbar a desigualdade entre seus beneficiários, os fatores que excluem grandes segmentos da população o direito à segurança social e compreender as causas que explicam a crise de sustentabilidade enfrentando muitos deles.

O objetivo é construir um quadro analítico para a compreensão de como o desenho, a estrutura, o modo de financiamento e gestão de um sistema de pensões relacionados com a possibilidade de garantir o direito à segurança social. Nesse sentido, o objetivo é que os projetos explorar explicações para a crise de sustentabilidade que enfrentam muitos sistemas na região e desenvolver propostas para enfrentar e superar essas crises a partir da perspectiva de um sistema público, estadual e solidariedade.

O direito à segurança social, entendida como a garantia de protecção social eo bem-estar auxilia todos os trabalhadores no momento da velhice ou em situações de deficiência, goza de reconhecimento constitucional na maioria dos países da América Latina e do Caribe. Ele também tem reconhecimento internacional, por exemplo, através da Convenção 102 da Organização Internacional do Trabalho (OIT). Mas o reconhecimento legal é muitas vezes insuficiente quando não existem mecanismos reais para garantir e efectivamente a fruição de uma contribuição de pensão que alcançar um estado de bem-estar.

Entendemos que situação de bem-estar que transcende a mera satisfação das necessidades básicas e permitindo tanto conseguir a inclusão plena na vida económica, social e cultural do trabalhador eo trabalhador, bem como manter o atingiram durante a posição de ciclo de vida. A este respeito, as variáveis de exclusão e desigualdade devem se relacionar com a possibilidade de alcançar o bem-estar e não apenas a percepção da aposentadoria para servir como “alívio da pobreza” da população que vive em idade e / ou deficiência de idade.

sistemas de pensões, por outro lado, não são estranhos para a realidade vivenciada pelos trabalhadores em atividade, onde o desemprego, o subemprego eo trabalho clandestino e incerteza sobre o futuro do trabalho envolvido na robotização e incorporando inteligência artificial, são variáveis que impactam tanto as suas capacidades financeiras ea capacidade do trabalhador para se qualificar para acessá-lo. Estas e outras variáveis, como o aumento das taxas de longevidade, força-nos a repensar a concepção dos sistemas de pensões, de modo a assegurar a sua sustentabilidade ao longo do tempo.

Mas sempre que um sistema de pensões é analisado do ponto de vista dos beneficiários e deve ser considerada como principal objetivo garantir o bem-estar de si e não o uso de fundos de pensão como um meio de acumulação financeira. Nesse sentido, a aposta é pensar melhores alternativas para a crise que enfrenta sistemas atuais dentro de um regime de direito público, estadual e solidariedade, para que eles devem considerar formas de financiamento que envolvem não só as contribuições de trabalhadores / e empregadores / as mas também do próprio estado.  

Relatórios:
clacsoclate@clacso.edu.ar

DATA DE ENCERRAMENTO: 14 DE AGOSTO, 2017

Fonte:http://www.clacso.org.ar/concursos_convocatorias/concursos_convocatorias_detalle_principales.php?id_convocatorias=85

BLOG DO FÓRUM DAS CIÊNCIAS HUMANAS, SOCIAIS E SOCIAIS APLICADAS

Fórum de Ciências Humanas, Sociais e Sociais Aplicadas articula as sociedades científicas de diversas naturezas que representam os pesquisadores e as pesquisadores das áreas ou subáreas que compõem essa Grande Área do Conhecimento do Sistema Nacional de Ciência e Tecnologia brasileiro. Seu objetivo principal é o debate e a tomada de posição sobre os temas relativos às políticas e às práticas de pesquisa que afetam os(as) pesquisadores, a comunidade científica e a sociedade brasileira.

Fonte: https://blogfchssa.wordpress.com