Notícias

Memórias Narrativas do V SEJATIS  

Em sua quinta edição, aconteceu entre os dias 12 e 14 de setembro de 2017 o Seminário de Educação de Jovens e Adultos do Território de Identidade do Sisal (V SEJATIS) com o tema “Desenvolvimento Local e Agricultra Familiar: Dialogos, Práticas e Emergências na EJA” e a participação de 250 pessoas de 13 cidades: Valente, Araci, Barrocas, Santaluz, Serrinha, Riachão do Jacuípe, Salvador, Teofilândia, Monte Santo, Irará, Conceição do Coité, Florianópolis, Seabra, Lauro de Freitas entre os três dias de atividades.

A conferência de abertura proferida pelo Prof. Dr. Clécio Azevedo da Silva (UFSC ) com o tema “Agricultura Familiar, Patrimônio Alimentar e Desenvolvimento Local.” contou com a participação de estudantes e docentes da EJA, professores da UNEB, integrantes dos Movimentos Sociais sisaleiro.

Em parceria com Secretaria Municipal de Educação de Valente (Ba) e Fundação APAEB, o OBEJA organizou diversas atividades para debater/propor/vizibilizar experiências sobre a EJA no contexto da Agricultura Familiar como mesas redondas, oficinas, atividades culturais, sessões de comunicações e relatos pedagógicos de experiências sobre a EJA no Território de Identidade do Sisal.

Escolas Municipais, A rede Ponto Nosso, a FATRES e a Fundação APAEB exporam  produtos construídos/cultivados pelos sujeitos  sociais que transitam entre a EJA e a Agroecologia com objetivo de conhecer os contextos – formação que constituem o Território de Identidade do Sisal, mas também organizar redes de sociabilidades territoriais na Bahia/Brasil com intuito problematizar os discursos e os raciocínios pedagógicos que fundamentam a seletividade ou as seletividades nos modos como as práticas pedagógicas veem, refletem ou falam sobre si e os Sujeitos da EJA.

21462285_927502287390309_6110283949557113062_n

21616306_1565932936779162_5262133830750666941_n

21762035_1565932890112500_6161313480591222093_n

19105599_1565936933445429_2612153525644914505_n

21462271_927502437390294_4071302580339594777_n

21616121_1565936666778789_8846391678536850171_n

21616164_1565932523445870_5535285638619318201_n

21616488_1565932510112538_1864379708031245229_n

21618027_1565932516779204_1493708029439096873_n

21685937_1565936663445456_7601541046836266540_n

21686132_1565936920112097_3285613752777092356_n

21687648_1565932756779180_7795596735445995859_n

21687748_1565932636779192_5860973698759475592_n

21730834_1565936816778774_844532867657668870_n

21731000_1565936670112122_1984905082444727875_n

21731364_927502317390306_7862485076387891465_n

21740280_927502397390298_4307393174453821420_n

21740495_927502344056970_5964204044797023765_n

21751866_1565936813445441_4282425756725395916_n

21761930_1565936820112107_1492027855093850472_n

21762218_1565932593445863_4468432322280994528_n

Fonte: http://obeja.uneb.br/memorias-narrativas-do-v-sejatis/631

 

Oficinas – V SEJATIS

1819202122232425

Fonte:http://obeja.uneb.br/oficinas-v-sejatis/620

 

Comunicação Oral e Relato Pedagógico de Experiência

 V SEJATIS

0102030405060708091011121314151617

Fonte:http://obeja.uneb.br/resumos-aprovados-comunicacao-oral-e-relato-pedagogico-de-experiencia-v-sejatis/599

Oficinas– V SEJATIS

As inscrições para oficinas serão realizadas hoje (12/09), na Casa da Cultura, e amanhã (13/09), até o encerrarem as inscrições no Colégio Estadual César Borges na cidade de Valente – Ba.

1-Produção de Salada de Pote

Autores:

Letícia Caribé Batista Reis

Cintia Silva Queiroz

Andreia da Silva Ferreira

Rosimar de Souza Junqueira

Leila Maria dos Santos Cristo

Adriana Damiana Pereira Lima

Miguel Camay Ramos de Oliveira

2-Currículo e Equidade

Autora:

Silvana Ferreira da Silva

3-Cartografando: cartografia social, questão agrária, cultura e povos do campo

Autores:

Priscila Teixeira da Silva

Luís Geraldo Leão Guimarães

4-Entre Narrativas e Lugares – Histórias, Memórias e Oralidade

Autores:

Katiuscia da Silva Santos

Paulo José Pereira dos Santos

Tarsis de Carvalho Santos

Silvia Letícia Costa Pereira Correia

5-Currículos e Metodologias de Formação Participativa na Docência

Autores:

Nadja da Cruz Silva

Lilian Almeida dos Santos

6-Educação e Violências em Espaços Escolares

Autor:

Marcos César Guimarães dos Santos

7-Formação em Serviço de Coordenadores da EJA

Autor:

Edson Barreto Lima

 http://obeja.uneb.br/oficinas-pedagogicas-v-sejatis/596

 

PROGRAMAÇÃO do V SEJATIS 

folder_v-sejatis-pastas1

folder_v-sejatis-pastas2

Resultado da Seleção de Monitoria – V SEJATIS

monitoria-resultado

V SEJATIS – Prorrogadas Inscrições até 05/09/2017

Inscrições prorrogadas para Submissão de Comunicações Orais, de Relatos Pedagógicos de Experiências e de Oficinas Pedagógicas –  V Seminário do Observatório de Educação de Jovens e Adultos do Território de Identidade do Sisal 

A comissão organizadora do V Seminário do Observatório de Educação de Jovens e Adultos do Território de Identidade do Sisal Bahia com tema “Desenvolvimento Local e Agricultura Familiar: Diálogos, Práticas e Emergências na EJA ” vem por meio deste comunicar a abertura de inscrição para Comunicações Orais, de Relatos Pedagógicos de Experiências e de Oficinas Pedagógicas, assim  convida a todos pesquisadores acadêmicos, estudantes e docentes da EJA, graduandos de instituições públicas e privadas do Território de Identidade do Sisal e da Bahia a participarem  do processo seletivo.  

O evento acontecerá nos dias 12  a 14 de setembro de 2017 na Casa da Cultura de Valente (Ba).

Orientações para inscrições

Inscrições sem apresentação de trabalhos –  01/ 08 a 12/09 de  2017 (Gratuitas).

Inscrições com apresentação de trabalhos e/ou Realização de Oficinas – 01 /08  a 05/09 de 2017 (Gratuitas).

Resultado dos trabalhos  aprovados até 08/09/2017 no sitio OBEJA e por e-mail (Carta de Aceite).

Todos os resumos aprovados para Comunicação Oral e/ou Relatos Pedagógicos de Experiências serão publicados, em formato completo, nos Anais do evento (digital).

O resumo, deve abordar  EJA, Desenvolvimento Local Sustentável e/ou Agricultura Familiar,  deverá explicitar, objetivamente, o problema, os objetivos, a metodologia, os resultados obtidos ou esperados de acordo com a norma ABNT NBR 6028. 

O artigo completo só será exigido após avaliações dos resumos, via e-mail individual para autor (es), pelo Comitê Científico do V SEJATIS para publicação numa revista digital a ser divulgada.

O evento é totalmente gratuito e organizado pelo Observatório de Educação de Jovens e Adultos do Território de Identidade do Sisal (OBEJA).

Cronograma de inscrições –  V SEJATIS

Link de Inscrição

Seleção de Monitoria Acadêmica

Inscrições (01/08 a 05/09/2017)

https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSeZCDBFkyXz0SCtSVTs3KB4tMW0cHuRImeMw2IYgj67KMx-Yg/viewform

Proposta de Oficina

Inscrições (01/08 a 05/09/2017)

https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSdw0l_tHvh5WNX6kGvd5SZ31TeHjX0dPtSHFRQsKegyATbwYA/viewform

Comunicações Orais

Inscrições (01/08 a 05/09/2017)

https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSdBOBaIm7eb0BECeuy_GcJt42wKp6B0or_ZLHp3a2ereyBsMA/viewform

Ouvintes

Inscrições (01/ 08 a 12/09 de 2017)

https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSdBOBaIm7eb0BECeuy_GcJt42wKp6B0or_ZLHp3a2ereyBsMA/viewform

As dúvidas e solicitações serão realizadas através do e-mail: obejauneb@gmail.com

Chamada para inscrições de Submissão de Comunicações Orais, de Relatos Pedagógicos de Experiências e de Oficinas Pedagógicas – V Seminário do Observatório de Educação de Jovens e Adultos do Território de Identidade do Sisal

A comissão organizadora do V Seminário do Observatório de Educação de Jovens e Adultos do Território de Identidade do Sisal Bahia com tema “Desenvolvimento Local e Agricultura Familiar: Diálogos, Práticas e Emergências na EJA ” vem por meio deste comunicar a abertura de inscrição para Comunicações Orais, de Relatos Pedagógicos de Experiências e de Oficinas Pedagógicas, assim  convida a todos pesquisadores acadêmicos, estudantes e docentes da EJA, graduandos de instituições públicas e privadas do Território de Identidade do Sisal e da Bahia a participarem  do processo seletivo.

O evento acontecerá nos dias 12  a 14 de setembro de 2017 na Casa da Cultura de Valente (Ba).

Orientações para inscrições

Inscrições sem apresentação de trabalhos –  01/ 08 a 12/09 de  2017 (Gratuitas).

Inscrições com apresentação de trabalhos e/ou Realização de Oficinas – 01 a 31/08 de 2017 (Gratuitas).

Resultado dos trabalhos  aprovados até 05/09/2017 no sitio OBEJA e por e-mail (Carta de Aceite).

Todos os resumos aprovados para Comunicação Oral e/ou Relatos Pedagógicos de Experiências serão publicados, em formato completo, nos Anais do evento (digital).

O resumo, deve abordar  EJA, Desenvolvimento Local Sustentável e/ou Agricultura Familiar,  deverá explicitar, objetivamente, o problema, os objetivos, a metodologia, os resultados obtidos ou esperados de acordo com a norma ABNT NBR 6028.

O artigo completo só será exigido após avaliações dos resumos, via e-mail individual para autor (es), pelo Comitê Científico do V SEJATIS para publicação numa revista digital a ser divulgada.

O evento é totalmente gratuito e organizado pelo Observatório de Educação de Jovens e Adultos do Território de Identidade do Sisal (OBEJA).

As dúvidas e solicitações serão realizadas através do e-mail: obejauneb@gmail.com

Cronograma de inscriçõesV SEJATIS Link de Inscrição
Seleção de Monitoria AcadêmicaInscrições (01 a 31/08/2017) https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSeZCDBFkyXz0SCtSVTs3KB4tMW0cHuRImeMw2IYgj67KMx-Yg/viewform
Proposta de OficinaInscrições (01 a 31/08/2017) https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSdw0l_tHvh5WNX6kGvd5SZ31TeHjX0dPtSHFRQsKegyATbwYA/viewform
Comunicações OraisInscrições (01 a 31/08/2017) https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSdBOBaIm7eb0BECeuy_GcJt42wKp6B0or_ZLHp3a2ereyBsMA/viewform
OuvintesInscrições (01/ 08 a 12/09 de 2017) https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSdBOBaIm7eb0BECeuy_GcJt42wKp6B0or_ZLHp3a2ereyBsMA/viewform

folder_v-sejatis-1

 

 

folder_v-sejatis-2

 

Abertas as inscrições para Seleção de Monitores – V SEJATIS

cartaz-v-sejatis-site

SELEÇÃO DE MONITORIA ACADÊMICA

A comissão organizadora do V Seminário do Observatório de Educação de Jovens e Adultos do Território de Identidade do Sisal Bahia com tema “Desenvolvimento Local e Agricultura Familiar: Diálogos, Práticas e Emergências na EJA ” vem por meio deste comunicar a abertura de inscrição para monitoria e convida todos os estudantes de Graduação e da Educação Básica do Território de Identidade do Sisal  a participar do processo seletivo. O evento acontecerá nos dias 12  a 14 de setembro de 2017 na Casa da Cultura de Valente. Para participar do processo seletivo, o estudante deverá atender aos seguintes critérios.

Critérios para monitoria:

1.Estar regularmente matriculado e frequentando curso de graduação de uma instituição de ensino superior ou escola pública da educação básica no Território de Identidade do Sisal;

2.Ter disponibilidade de, pelo menos, 01 turno diário (de cinco horas) e dispor de turno(s) alternado(s) ao longo do evento;

3.Disponibilidade de participar do treinamento para capacitação de monitores, a realizar-se dia 11 de setembro de 2017 no turno da tarde na Casa da Cultura de Valente , após aprovação neste processo seletivo;

4.Comprometer-se em atuar na função de monitor (a) no(s) turno(s) organizados por esta Comissão de Monitoria para os dias do evento, sendo esta condição fundamental para o recebimento de certificado;

5.É considerado critério classificatório ter participação como monitor em outro evento científico.

São vantagens garantidas aos monitores voluntários:

6.Certificação de Monitoria com a carga horária de 20 horas (se o selecionado participar do treinamento e cumprir o turno diário definido pela referida comissão);

7. Participação no evento após o turno de cumprimento de monitoria;

Documentos exigidos a inscrição:

8. Ficha de inscrição, a ser preenchida neste link: clique aqui ou pelo site obeja.

9. Comprovante de matrícula e atestado de frequência do semestre/ano em curso (apresentar na entrevista);

10. Número de matricula na instituição de vinculação (ficha de inscrição);

Período da inscrição

11.Preencher a ficha de inscrição on line preenchida;

12.As inscrições serão de 01 a 31 de agosto de 2017;

13.O treinamento acontecerá dia 11 de setembro de 2017 no turno da tarde na Casa da Cultura de Valente . A sala que ocorrerá o treinamento será divulgada em tempo hábil na página do evento, após publicação do resultado do processo seletivo.

Atenciosamente,

Comissão Organizadora do V SEJATIS

Abertas as inscrições para proposta de Oficinas – V SEJATIS

cartaz-v-sejatis-site

Proposta de Oficina – V SEJATIS

A comissão organizadora do V Seminário do Observatório de Educação de Jovens e Adultos do Território de Identidade do Sisal Bahia com tema “Desenvolvimento Local e Agricultura Familiar: Diálogos, Práticas e Emergências na EJA ” vem por meio deste comunicar a abertura de inscrição para proposta de Oficinas, assim  convida a todos pesquisadores acadêmicos, estudantes e docentes da EJA, graduandos de instituições públicas e privadas do Território de Identidade do Sisal e da Bahia a participarem do processo seletivo. O evento acontecerá nos dias 12  a 14 de setembro de 2017 na Casa da Cultura de Valente.

O período de inscrições  inscrições para ministrar oficinas é de  01 a 31/08 de 2017 por meio do link: https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSdw0l_tHvh5WNX6kGvd5SZ31TeHjX0dPtSHFRQsKegyATbwYA/viewform

Os resultado dos trabalhos aprovados até 05/09/2017 (envio da Carta de Aceite)

As dúvidas e solicitações serão realizadas através do e-mail:obejauneb@gmail.com

O evento é totalmente gratuito e organizado pelo Observatório de Educação de Jovens e Adultos do Território de Identidade do Sisal (OBEJA).

 

 

Obs.: 1. Serão priorizadas as oficinas que se mostrem mais diretamente relacionadas com o tema do evento .
Obs.: 2. Autor (es) e coautores precisam se inscreve como ouvintes no V SEJATIS caso não apresentem comunicação oral. A inscrição é individual por meio deste link :
https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSdBOBaIm7eb0BECeuy_GcJt42wKp6B0or_ZLHp3a2ereyBsMA/viewform.
Obs.: 3. A oficina será realizada no dia 13.09.2017 (quarta-feira) das 19h às 21h.
Obs.: 4. O deslocamento, a alimentação e a hospedagem é de responsabilidade pelo propositor (es/as) da Oficina

 

Abertas as inscrições para Comunicação de Trabalho – V SEJATIS

cartaz-v-sejatis

A comissão organizadora do V Seminário do Observatório de Educação de Jovens e Adultos do Território de Identidade do Sisal Bahia com tema “Desenvolvimento Local e Agricultura Familiar: Diálogos, Práticas e Emergências na EJA ” vem por meio deste comunicar a abertura de inscrição para Comunicações Orais, assim  convida a todos pesquisadores acadêmicos, estudantes e docentes da EJA, graduandos de instituições públicas e privadas do Território de Identidade do Sisal e da Bahia a participarem  do processo seletivo. O evento acontecerá nos dias 12  a 14 de setembro de 2017 na Casa da Cultura de Valente.

O período de inscrições  para Comunicações Orais  é de  01 a 31/08 de 2017 por meio do link: https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSdBOBaIm7eb0BECeuy_GcJt42wKp6B0or_ZLHp3a2ereyBsMA/viewform

O evento é totalmente gratuito e organizado pelo Observatório de Educação de Jovens e Adultos do Território de Identidade do Sisal (OBEJA).

BOLSAS CLACSO – CLATE desigualdades, exclusão e crise de sustentabilidade nos sistemas de pensões na América Latina e no Caribe

1

BOLSAS CLACSO – CLATE
desigualdades, exclusão e crise de sustentabilidade nos sistemas de pensões na América Latina e no Caribe

Tópico:
As desigualdades, exclusão e crise de sustentabilidade

CARACTERÍSTICAS DA CHAMADA / FUNDAMENTAÇÃO

Esta chamada tem por objetivo aprofundar o conhecimento sobre os sistemas de pensões na América Latina e no Caribe, suas características gerais, os elementos que mantêm ou exacerbar a desigualdade entre seus beneficiários, os fatores que excluem grandes segmentos da população o direito à segurança social e compreender as causas que explicam a crise de sustentabilidade enfrentando muitos deles.

O objetivo é construir um quadro analítico para a compreensão de como o desenho, a estrutura, o modo de financiamento e gestão de um sistema de pensões relacionados com a possibilidade de garantir o direito à segurança social. Nesse sentido, o objetivo é que os projetos explorar explicações para a crise de sustentabilidade que enfrentam muitos sistemas na região e desenvolver propostas para enfrentar e superar essas crises a partir da perspectiva de um sistema público, estadual e solidariedade.

O direito à segurança social, entendida como a garantia de protecção social eo bem-estar auxilia todos os trabalhadores no momento da velhice ou em situações de deficiência, goza de reconhecimento constitucional na maioria dos países da América Latina e do Caribe. Ele também tem reconhecimento internacional, por exemplo, através da Convenção 102 da Organização Internacional do Trabalho (OIT). Mas o reconhecimento legal é muitas vezes insuficiente quando não existem mecanismos reais para garantir e efectivamente a fruição de uma contribuição de pensão que alcançar um estado de bem-estar.

Entendemos que situação de bem-estar que transcende a mera satisfação das necessidades básicas e permitindo tanto conseguir a inclusão plena na vida económica, social e cultural do trabalhador eo trabalhador, bem como manter o atingiram durante a posição de ciclo de vida. A este respeito, as variáveis de exclusão e desigualdade devem se relacionar com a possibilidade de alcançar o bem-estar e não apenas a percepção da aposentadoria para servir como “alívio da pobreza” da população que vive em idade e / ou deficiência de idade.

sistemas de pensões, por outro lado, não são estranhos para a realidade vivenciada pelos trabalhadores em atividade, onde o desemprego, o subemprego eo trabalho clandestino e incerteza sobre o futuro do trabalho envolvido na robotização e incorporando inteligência artificial, são variáveis que impactam tanto as suas capacidades financeiras ea capacidade do trabalhador para se qualificar para acessá-lo. Estas e outras variáveis, como o aumento das taxas de longevidade, força-nos a repensar a concepção dos sistemas de pensões, de modo a assegurar a sua sustentabilidade ao longo do tempo.

Mas sempre que um sistema de pensões é analisado do ponto de vista dos beneficiários e deve ser considerada como principal objetivo garantir o bem-estar de si e não o uso de fundos de pensão como um meio de acumulação financeira. Nesse sentido, a aposta é pensar melhores alternativas para a crise que enfrenta sistemas atuais dentro de um regime de direito público, estadual e solidariedade, para que eles devem considerar formas de financiamento que envolvem não só as contribuições de trabalhadores / e empregadores / as mas também do próprio estado.

Relatórios:
clacsoclate@clacso.edu.ar

DATA DE ENCERRAMENTO: 14 DE AGOSTO, 2017

Fonte:http://www.clacso.org.ar/concursos_convocatorias/concursos_convocatorias_detalle_principales.php?id_convocatorias=85

BLOG DO FÓRUM DAS CIÊNCIAS HUMANAS, SOCIAIS E SOCIAIS APLICADAS

Fórum de Ciências Humanas, Sociais e Sociais Aplicadas articula as sociedades científicas de diversas naturezas que representam os pesquisadores e as pesquisadores das áreas ou subáreas que compõem essa Grande Área do Conhecimento do Sistema Nacional de Ciência e Tecnologia brasileiro. Seu objetivo principal é o debate e a tomada de posição sobre os temas relativos às políticas e às práticas de pesquisa que afetam os(as) pesquisadores, a comunidade científica e a sociedade brasileira.

Fonte: https://blogfchssa.wordpress.com

A EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS COMO DIREITO – CARTA À PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE

CARTA À PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE

A EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS COMO DIREITO

O tema central que está sendo abordado pelos Fóruns de EJA em seus encontros municipais, regionais e nacional é a reflexão e a avaliação dos vinte anos da modalidade na LDB sob ponto de vista legal e a ação prática. Nunca tal proposta se fez tão apropriada quanto neste momento em que, de Sul a Norte do país, a política neoliberal promove um desmonte dos avanços que se conquistou até aqui.

Neste paralelo entre as conquistas obtidas através da legislação e a sua efetiva aplicação estão, de um lado, o poder público constituído e o quanto este tem reconhecido os direitos constantes na lei, e de outro, as forças da sociedade civil organizada, associadas a essa modalidade de ensino, representadas por diferentes segmentos, e o quanto promoveram de avanços na aplicação dos direitos assegurados.

Neste contexto é que destacamos a atual realidade vivenciada pela Educação de Jovens e Adultos na cidade de Porto Alegre. Com um histórico de reconhecimento como um direito inerente à população e a busca do cumprimento com todas as precariedades que sabemos comuns à modalidade, a atual administração municipal cancelou as matrículas para EJA através de sistema próprio sob o argumento de concentrá-las em um único lugar, o Centro Municipal de Educação dos Trabalhadores Paulo Freire (CMET), localizado em área central da cidade, sob alegação de efetuar um levantamento da demanda. Ao reduzir de 33 unidades para uma escola somente a oferta, nada mais faz do que restringir o acesso e coibir o atendimento da demanda. Demanda essa que atinge no país a 43% da população e que em Porto Alegre, atualmente, é de mais de 7 mil cidadãos e cidadãs, sendo que mais de 300 mil pessoas acima de 15 anos de idade não têm o Ensino Fundamental, conforme dados do Censo IBGE.

Não seria demais relembrar ao poder público de Porto Alegre alguns trechos da LEI DE DIRETRIZES E BASES DA EDUCAÇÃO NACIONAL/1996

“O dever do Estado com a educação escolar pública será efetivado mediante a garantia de ensino fundamental, obrigatório e gratuito, inclusive para os que a ele não tiveram acesso na idade própria” (Título III, Do Direito à Educação e do Dever de Educar, Art. 4º, inciso I). “o acesso ao ensino fundamental é direito público subjetivo, podendo qualquer cidadão… e, ainda, o Ministério Público, acionar o poder público para exigi-lo.”. (Art. 5º).

“Compete aos Estados e Municípios, em regime de colaboração, … I – recensear a população em idade escolar para o ensino fundamental, e os jovens e adultos que a ele não tiveram acesso; II – fazer-lhes a chamada pública; III – zelar, … pela freqüência à escola. (Art. 5º, parágrafo 1º)

“Comprovada a negligência da autoridade competente para garantir o oferecimento do ensino obrigatório, poderá ela ser imputada por crime de responsabilidade”. (Art. 5º, parágrafo 4º).

Logo, temos aqui não só a base do direito consagrado, como o estabelecimento das responsabilidades do seu não atendimento.

Submetemos ainda à apreciação dos gestores municipais, outros componentes da legislação como:

PARECER CNE/CEB Nº 11/2000 e RESOLUÇÃO CNE/CEB Nº 01/2000 – Estabelecem as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação de Jovens e Adultos; O Parecer nº 11/2000, que serviu de base para a Resolução CNE/CEB nº 01/2000, traz uma importante explanação, a qual deixa claro o entendimento sobre o direito subjetivo. Segundo Cury,

“a Constituição Federal do Brasil incorporou como princípio que toda e qualquer educação visa o pleno desenvolvimento da pessoa, seu preparo para o exercício da cidadania e sua qualificação para o trabalho. […] este princípio abriga o conjunto das pessoas e dos educandos como um universo de referência sem limitações. Assim, a Educação de Jovens e Adultos, modalidade estratégica do esforço da Nação em prol de uma igualdade de acesso à educação como bem social, participa deste princípio e sob esta luz deve ser considerada. Estas considerações adquirem substância não só por representarem uma dialética entre dívida social, abertura e promessa, mas também por se tratarem de postulados gerais transformados em direito do cidadão e dever do Estado até mesmo no âmbito constitucional, fruto de conquistas e de lutas sociais. […] O ensino fundamental obrigatório é para todos e não só para as crianças. Trata-se de um direito positivado, constitucionalizado e cercado de mecanismos financeiros e jurídicos de sustentação. A titularidade do direito público subjetivo face ao ensino fundamental continua plena para todos os jovens, adultos e idosos, desde que queiram se valer dele. […] Direito público subjetivo é aquele pelo qual o titular de um direito pode exigir imediatamente o cumprimento de um dever e de uma obrigação. Trata-se de um direito positivado, constitucionalizado e dotado de efetividade. O titular deste direito é qualquer pessoa de qualquer faixa etária que não tenha tido acesso à escolaridade obrigatória. Por isso é um direito subjetivo, ou seja, ser titular de alguma prerrogativa é algo que é próprio deste indivíduo. O sujeito deste dever é o Estado no nível em que estiver situada esta etapa da escolaridade. Por isso se chama direito público pois, no caso, trata-se de uma regra jurídica que regula a competência, as obrigações e os interesses fundamentais dos poderes públicos, explicitando a extensão do gozo que os cidadãos possuem quanto aos serviços públicos. Assim o direito público subjetivo explicita claramente a vinculação substantiva e jurídica entre o objetivo e o subjetivo. Na prática, isto significa que o titular de um direito público subjetivo tem asseguradas a defesa, a proteção e a efetivação imediata do mesmo quando negado. Em caso de inobservância deste direito, por omissão do órgão incumbido ou pessoa que o represente, qualquer criança, adolescente, jovem ou adulto que não tenha entrado no ensino fundamental pode exigi-lo e o juiz deve deferir imediatamente, obrigando as autoridades constituídas a cumpri-lo sem mais demora […] Ao exercício deste direito corresponde o dever do Estado na oferta desta modalidade de ensino dentro dos princípios e das responsabilidades que lhes são concernentes”.

Este mesmo Parecer, dispõe ainda sobre as funções da modalidade EJA, dentre as quais destacamos:

Função Reparadora – “Dívida social não reparada para os que não tiveram acesso e nem domínio da escrita e leitura como bens sociais, na escola ou fora dela”. Trata-se de “um dos fins da EJA porque reconhece o advento para todos deste princípio de igualdade”, restaurando “um direito negado e o reconhecimento da igualdade ontológica de todo e qualquer ser humano”, promovendo assim, o “término de uma discriminação” através do reconhecimento do direito a uma escola de qualidade. As deliberações dos Encontros Nacionais de Educação de Jovens Adultos e idosos e o Documento do GT do Redimensionamento formado pelos Fóruns de EJA do Brasil, pela Associação Nacional de Pós Graduação e Pesquisa em Educação (ANPEd), pela Comissão Nacional de Alfabetização e Educação de Jovens, adultos e idosos (CNAEJA) e pelo Fórum Nacional de Educação (FNE), apontam como uma das pautas nacionais da EJA a urgência de “Chamada Pública aos educandos para a EJA, de alfabetização e de continuidade de estudos, feita pelo Gestor, por meio de propaganda na TV a ser divulgada em horário nobre; em rádio em horários adequados; sites oficiais; durante jogos de futebol; pelos Correios por meio de Carta Social, bem como divulgação feita por lideranças religiosas (padres, pastores, pais de santo…), com maior intensidade no início de cada semestre e continuidade ao longo do ano, evidenciando que as matrículas na EJA são contínuas” e que traga visibilidade a esta modalidade de ensino enquanto possibilidade de escolarização que possa contribuir com a emancipação dos seus sujeitos.

Assim sendo, as entidades representadas no Fórum Estadual de Educação de Jovens e Adultos do RS, endossadas pelos que subscrevem esta Carta, manifestam sua discordância e contrariedade às medidas adotadas pela Prefeitura de Porto Alegre, mais especificamente pela Secretaria Municipal de Educação, entendendo que na prática as mesmas inviabilizam o acesso à modalidade EJA, negando assim um direito, e solicitam a imediata liberação das matrículas através do respectivo sistema operativo, diretamente nas escolas, mantendo a oferta, a disponibilidade das vagas da forma mais acessível aos sujeitos que necessitam, restabelecendo e reconhecendo assim um direito que, na prática, por ora, está sendo negado, mais uma vez, pois já o tiveram negado quando eram crianças e adolescentes. É fundamental cessarmos o fechamento de turmas de EJA, pois estamos tratando com TRABALHADORES QUE ESTUDAM e não com estudantes que, às vezes, trabalham. Assinam:

  1. Fórum de EJA do RS
  2. Associação Brasileira de Currículo – ABDC
  3. Associação Nacional de Pesquisa em Financiamento da Educação – FINEDUCA
  4. Associação Nacional de Política e Administração da Educação – ANPAE
  5. Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação – ANPED
  6. Campanha Nacional pelo Direito à Educação
  7. Central Única dos Trabalhadores – CUT
  8. Centro de Estudos Educação e Sociedade – CEDES
  9. Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação – CNTE
  10. Confederação Nacional dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Ensino – CONTEE
  11. Federação de Sindicatos dos Trabalhadores em Universidades Brasileiras – FASUBRA
  12. Federação dos Trabalhadores em Estabelecimento Ensino  – FETEERJ
  13. Federação Sindical dos Auxiliares de Administração Escolar de Minas Gerais – FESAAEMG
  14. Fórum de EJA  AC
  15. Fórum de EJA  AL
  16. Fórum de EJA AM
  17. Fórum de EJA AP
  18. Fórum de EJA BA
  19. Fórum de EJA CE
  20. Fórum de EJA DF
  21. Fórum de EJA ES
  22. Fórum de EJA GO
  23. Fórum de EJA MA
  24. Fórum Mineiro de EJA
  25. Fórum de EJA MS
  26. Fórum de EJA MT
  27. Fórum de EJA PA
  28. Fórum de EJA PB
  29. Fórum de EJA PE
  30. Fórum de EJA PI
  31. Fórum de EJA PR
  32. Fórum de EJA RJ
  33. Fórum de EJA RN
  34. Fórum de EJA RO
  35. Fórum de EJA RR
  36. Fórum de EJA SC
  37. Fórum de EJA SE
  38. Fórum de EJA SP
  39. Fórum de EJA TO
  40. Fórum Estadual de Educação de São Paulo
  41. Fórum Estadual de Educação do Rio de Janeiro/FEERJ
  42. Fórum Mineiro de Educação Infantil – FMEI
  43. Fórum Nacional de Diretores de Faculdades Centro de Educação ou Equivalentes das Universidades Públicas Brasileiras – FORUMDIR
  44. Fórum Permanente de Educação Infantil do ES
  45. Movimento de Luta nos Bairros, Vilas e Favelas – MLB Coletivo Educação
  46. Movimento Interfóruns da Educação Infantil do Brasil – MIEIB
  47. Núcleo de Estudos e Pesquisas em Educação de Jovens e Adultos da UFMG – NEJA/UFMG
  48. Sindicato dos Servidores da Educação Básica e Tecnológica do Rio Grande do Norte – Sinasefe Seção Natal
  49. Sindicato dos trabalhadores técnico-administrativos das Instituições Federais de Ensino de Rio Grande/RS – APTAFURG-Sindicato
  50. União Brasileira de Estudantes Secundaristas – UBES
  51. União Nacional dos Conselhos Municipais de Educação – UNCME

Fonte: http://forumeja.org.br/mg/node/1746

 

I Encontro Estadual Atendimento Cumprimento de Medida Socioeducativas

convite-cumprimento-de-medida-socioeducativas

Aula Inaugural 2017.2 conjunta dos Programas PPGEduC, Gestec, Mpeja e ProfHistória

 

 

img-20170801-wa0012-1

Fonte:http://www.ppgeduc.uneb.br/index.php/2017/08/01/aula-inaugural/#more-1499

Palestra com Miguel Arroyo, 09 de Agosto de 2017 – UNEB

Professor/Pesquisador Visitante nos EUA – Inscrições abertas até 01.10.2017

Professores e pesquisadores de todas as disciplinas, com mais de sete anos após o doutorado, podem-se candidatar a 10 bolsas de três ou quatro meses de duração para realizar pesquisas e/ou ministrar palestras  em instituições de ensino superior ou centros de pesquisa nos Estados Unidos. O candidato deve apresentar carta de aceite da instituição anfitriã nos EUA.

Observação: a Comissão permitirá que os quatro meses concedidos possam ser divididos em duas visitas aos EUA de dois meses,  a partir do início do Fall Term 2018.

Maiores informações pelo site:

Professor/Pesquisador Visitante nos EUA

 

 

 

Importância do Evento

Com o tema “A Educação de Jovens e Adultos no Território de Identidade do Sisal: Histórias, Memórias e Sociabilidades de Gente de Fibra”, o IV SEJATIS será realizados entre os dias 08 e 09 de novembro de 2016 na UNEB no  Campus de Serrinha com intuito de pensar como Educação de Jovens e Adultos (EJA) configura-se como campo específico educacional de responsabilidade pública do Estado (ARROYO, 2005), aprendizagem dialógica (FREIRE, 2001) e da escola enquanto comunidade de aprendizagem (FLECHA; TORTAJAD, 2010).

A diversidade de Sujeitos e ambientes sociais na EJA possibilitam diversidades de Histórias Vidas e Memórias no Território de Identidade do Sisal Bahia (TIS), ou seja, possibilitam problematizar a necessidade de reconfigurações das políticas públicas educacionais e ações de órgãos não governamentais para Sociabilidades de Gente de Fibra.

A memória interlaça e constrói, preservando no tempo, livrando do esquecimento, da perda. Contudo, a história e a memória, “por meio de uma inter-relação dinâmica, são suportes das identidades individuais e coletivas” (NEVES, 2000, p. 109).

Sendo assim, temos como objetivos:

  • Conhecer o contexto e a formação sociocultural de Território do Sisal como ferramenta importante para o planejamento educacional, pois a História da Educação, as Memórias de seus antigos moradores, professores, estudantes idosos e adultos com as suas experiências sobre o ato de educar, ou seja, a pedagogia em ação; explicam como as Sociabilidades de homens e mulheres de Fibra constituem o ambiente sociocultural desse território;
  • Visibilizar as Histórias e as Memórias por discussões histórica, socioambiental e cultural do Território de Identidade do Sisal;
  • Organizar redes de sociabilidades locais que viabilizarão diversos fazeres, tipos de práticas pedagógicas populares que foram construídas ao longo do tempo com intuito de suprir essas carências;
  • Fomentar discussões acerca dos processos de construção e de execução de Políticas Públicas Educacionais direcionadas aos seguintes temas no Território de Identidade do Sisal: Educação de Jovens e Adultos, Educação Ambiental e da Popular; Memórias e Histórias de Vida;
  • Socializar Experiências Exitosas da Educação de Jovens e Adultos com vistas às construções culturais que se entrelaçam nas Identidades Socioculturais na Região Sisaleira;
  •   Socializar conhecimentos científicos, tecnológicos e culturais da área de Educação de Jovens e Adultos.

 

CA1 CA2

2

1 3 4 5 6

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *